Curiosidades


Curiosidades
O destino dos Apóstolos

Todos os apóstolos que andavam com Jesus morreram como mártires, com exceção de dois: Judas Iscariotes, que traiu Jesus e acabou se enforcando, e João, que após ser exilado na ilha de Patmos, obteve a liberdade e morreu de morte natural.PAULO, que não era apóstolo oficialmente, foi considerado apóstolo dos gentios por causa da sua grande obra missionária nos países gentílicos. Foi decapitado em Roma por ordem de Nero.

MATIAS, que ficou no lugar de Judas Iscariotes, foi martirizado na Etiópia.

SIMÃO, o zelote, foi crucificado.

JUDAS TADEU morreu como mártir pregando o evangelho na Síria e na Pérsia.

TIAGO (o mais jovem), pregou na Palestina e no Egito, sendo ali crucificado.

MATEUS morreu como mártir na Etiópia.

TOMÉ pregou na Pérsia e na Índia, sendo martirizado perto de Madras no monte de São Tomé.

BARTOLOMEU serviu como missionário na Armênia, sendo golpeado até a morte.

FILIPE pregou na Frígia e morreu como mártir em Hierápolis.

ANDRÉ pregou na Grécia e Ásia Menor. Foi crucificado.

TIAGO (o mais velho) pregou em Jerusalém e na Judéia. Foi decapitado por Herodes.

SIMÃO PEDRO pregou entre os judeus chegando até a Babilônia, esteve em Roma, onde foi crucificado com a cabeça para baixo.
Vc sabia que a palavra “Deus” aparece 2.658 vezes no V.T. e 1.170 vezes no N.T. num total de 3.828 vezes??

——————————————————————————————

Calvário
Calvário ou Gólgota. Ambas as palavras, a primeira derivada do latim e a segunda do aramaico, significam “a caveira” ou “o lugar da caveira”, e fazem referência ao lugar onde Cristo foi crucificado (Mt 27:33, Lc 23:33). Se o chamaram “o lugar da caveira” por ser um local de execução (um lugar onde havia caveiras) ou porque o lugar parecia com uma caveira, não se sabe ainda hoje.A localização exata do calvário é atualmente desconhecida devido ao fato de Tito ter destruído Jerusalém no ano 70 D.C. Durante uns 60 anos, a cidade permaneceu em total ruína. Poucos cristãos regressaram para viver ali, e os que o fizeram, certamente eram em menor número do que aqueles que fugiram da cidade e não tiveram condições de reconhecer nenhum lugar em meio à devastação total.
Vários lugares têm sido sugeridos como a provável localização da sepultura, mas só dois deles são considerados com seriedade. Um é no interior da igreja do Santo Sepulcro, e outro é o calvário de Gordon, com sua tumba do jardim.

——————————————————————————————

A Bíblia
* O livro maior é o dos Salmos, com 150 capítulos.* O livro menor é II João.* O capítulo maior é Salmos 119.
* O capítulo menor é salmos 117.
* O capítulo 37 de Isaías e o 19 de II Reis são iguais.* Foram usados três idiomas em sua confecção: Hebraico, grego e aramaico.* Foi escrita em aproximadamente 1600 anos, por uns 40 autores e contém 66 livros.* A Palavra SENHOR é encontrada na Bíblia 1853 vezes e REVERENDO 1 vez no Salmo 111:9.* O verso maior é Ester 8:9.* O verso menor é Êxodo 20:13.* O verso central é Salmos 118:8.* Texto áureo da Bíblia: João 3:16
Diversas
A “Epístola da Alegria” , a carta de Paulo aos Filipenses, foi escrita na prisão e as expressões de alegria aparecem 21 vezes na epístola. Quem dá aos pobres, empresta a Deus, e Ele lhe pagará. (Provérbios 19:17) O trânsito pesado e veloz, os cruzamentos e os faróis acesos aparecem descritos exatamente como nos dias de hoje em Naum 2:4 A mensagem através de “out-doors” é uma citação bíblica detalhada. (Habacuque 2:2) Quem cortou o cabelo de Sansão não foi Dalila, mas um homem (Juizes 16:19) O nome mais cumprido e estranho de toda a bíblia é Maersalalhasbas – filho de Isaías (Isaías 8:3-4)
A primeira citação da redondeza da terra confirmava a idéia de Galileu, de um planeta esférico. Bastava que os descobridores conhecessem a bíblia. (Isaías 40:22) Davi, além de poeta, músico e cantor foi o inventor de diversos instrumentos musicais.(Amós 6:5) O tio e a tia de Jesus se tornaram “crentes” na sua pregação antes de sua crucificação. (Lucas 24:13-18 / João 19:25) O nome “cristão” só aparece três vezes na Bíblia. (Atos 11:26 / Atos 26:28 e I Pedro 4:16)
Sobre o casal Abraão e Sara:
Sara Viveu 127 (cento e vinte e sete) anos, Abraão viveu 165 (cento e sessenta e cinco) anos; ambos foram sepultados no Campo de Efrom, em Macpela (terra que foi comprada por Abraão pela quantia de 400 (quatrocentos) siclos de prata. Ao contrário do que muitos afirmam, o primeiro filho de Abrãao foi Ismael e não Isaque. Ismael foi concebido por Agar, serva egípcia de Sara (Sara tinha entregado Agar a Abrãao para que concebesse). Ainda nesta época, Abraão chamava-se Abrão (visto que Deus não havia mudado seu nome). Quando nasceu Isaque, Abraão tinha 100 (cem) anos. Após o falecimento de Sara, Abraão tomou como mulher a Quetura, e concebeu Quetura a seis filhos: Zinrã, Jocsã, Medã, Midiã, Isbaque e Suã. Abrãao deu a Isaque (o filho da promessa de Deus) todos os seus bens e riquezas, e aos demais filhos deu dádivas e os despediu. Isaque casou-se com Rebeca, que era da parentela de Abraão. Rebeca era estéril, assim como Sara, e tanto uma quanto outra conceberam por promessa de Deus. O Casamento de Isaque foi como consolo pela morte de sua mãe Sara.

——————————————————————————————

Sobre a Bíblia:
A tradução grega da palavra Bíblia (bíblia (pl.)) significa livros. Seu tempo de composição durou aproximadamente 1600 anos, com um total de 40 autores aproximadamente. Possui 66 livros, divididos em Velho Testamento com 39 livros e Novo Testamento com 27 livros, assim classificados: Históricos – Gênesis, Êxodo, Levíticos, Números. Deuteronômio, Josué, Juízes, Rute, I e II Samuel, I e II Reis, I e II Crônicas, Esdras, Neemias e Ester. Poéticos – Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes e Cânticos dos Cânticos. Proféticos – (Maiores) Isaías, Jeremias, Lamentações de Jeremias, Ezequiel e Daniel, (Menores) Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias. Evangelhos – Mateus, Marcos, Lucas e João. Históricos – Atos. Cartas de Paulo – Romanos, I e II Coríntios, Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, I e II Tessalonicenses, I e II Timóteo, Tito e Filemon. Cartas Gerais – Hebreus, Tiago, I e II Pedro, I, II e III João e Judas. Profético – Apocalipse.As divisões da Bíblia facilitam sua memorização. Não se deve pensar que somente os proféticos é que têm profecia, ou só os poéticos só têm poesia, ou os doutrinários (Epístolas) só doutrinas; da mesma forma os históricos não são apenas para relatar fatos, assim como não há muitos fatos históricos. Cada livro da Bíblia deve ser estudado convenientemente para que o seu ensino seja apreendido. Sem dúvida alguma a Bíblia é uma biblioteca extraordinária!

“A mim me pertence a vingança” – Esta frase proferida pelo apóstolo Paulo tem significado oposto do que a maioria das pessoas atribui. As palavras de Paulo não são desculpa para tornar-se a vingança em nome do Senhor. Antes, asseveram que a vingança é mister do Senhor, não deve ser executada pelos seres humanos.Em Romanos 12:19-21, Paulo desaconselha as represálias humanas: “Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira de Deus, porque está escrito: Minha é a vingança, eu retribuirei, diz o Senhor. Antes, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem”.Paulo insta com seus leitores a que pratiquem a bondade e deixem a vingança com Deus. O amontoar brasas sobre a cabeça do inimigo é tirado de Provérbios 25:21-22. Nos tempos antigos os defensores de uma cidade murada derramavam brasas vivas sobre a cabeça dos seus inimigos que, durante o sítio, subiam as escadas. O provérbio citado por Paulo sugere que a melhor vingança que se pode tomar contra os inimigos é “matá-los de bondade”
* A Bíblia já foi escrita com capítulos numerados, como temos hoje? Não.
Nenhum livro da Bíblia foi escrito com capítulos numerados. Em 1551, Robert Etiene, redator e editor em Paris, fez a experiência dividindo o NT de língua grega em versículos. Teodoro de Beza gostou da idéias e em 1565 dividiu toda a Bíblia em versículos.
* Qual o significado da palavra “Bíblia”?É uma palavra de origem grega e significa “livros”. Ler 2Tm 3,16

AS PRIMEIRAS TRADUÇÕES

Sempre houve empenhos para que a Bíblia fosse traduzida para línguas comuns. Há três traduções que são importantes por serem antigas , são testemunhas primitivas dos textos antigos.

1 – VERSÃO DOS SETENTA – É uma tradução em grego do V.T., feita entre os anos 280 e 130 A .C., e é conhecida por “Septuaginta”, porque a tradição diz que é o resultado de setenta sábios hebreus, convocados em Alexandria, no Egito, pelo rei Ptolomeu Filadelfo. Esta versão era muito usada pelos apóstolos.

2 – VULGATA LATINA – Versão foi feita por Jerônimo no fim do Século IV. No Século IV havia diversas versões em latim, divergentes entre si, e a igreja entregou a Jerônimo, grande conhecedor do hebraico e do grego, a tarefa de preparar uma versão confiável em latim. Os colegas de Jerônimo preferiam as antigas versões defeituosas. Somente no Século VI que a Vulgata Latina de Jerônimo começou a receber a aceitação da maioria. A Igreja Católica Romana, desde o fim do Século XVI, tem adotado esta versão como oficial.

5.4 – VERSÃO SIRÍACA PESHITO
Esta versão é a terceira de interesse, facilitada para o idioma da Síria. Provavelmente a primeira tradução do N.T. tenha sido esta. Estas versões citadas são importantes porque foram usadas para traduções mais recentes.

5.5 – LIVROS APÓCRIFOS
Nas versões dos Setenta e na Vulgata Latina encontram-se outros livros (I Esdras, II Esdras, Tobias, Judite, o resto de Ester, Sabedoria de Salomão, Eclesiástico, Baruque, a Epístola de Jeremias, o Canto do Três Mancebos, a História de Suzana, Bel e o Dragão, A Oração de Manassés, I Macabeus, II Macabeus, O Códice Alexandrino acrescenta ainda III e IV Macabeus, num total de 16 livros) que são considerados “apócrifos” (ocultos); os próprios judeus não aceitaram esses livros inspirados por Deus mesmo aparecendo na Vulgata Latina, o próprio Jerônimo não os aceitou como inspirados. A Igreja Evangélica considera esses livros fora do Cânon Sagrado pelas razões básicas: contem erros históricos geográficos e cronológicos, aprovam a mentira, o suicídio, o assassinato, os encantamentos mágicos, as orações aos mortos, salvação por meio de gratificações, descrição do sobrenatural de uma forma grotesca e ridícula. No Concílio de Trento (1546 D.C.) a Igreja Ocidental passou a considerá-los autoritários com o voto de 53 prelados sem conhecimentos históricos destacados sobre documentos orientais, encontrando oposição de grandes homens como o cardeal Polo que afirmou que assim agira o Concílio a fim de dar maior ênfase às diferenças entre católicos romanos e os evangélicos. Outro destacado líder católico, Tanner afirmou que a Igreja Católica Romana encontrou nesses livros o seu próprio espírito (apud Introdução ao Antigo Testamento, Dr. Donaldo D. Turner, IBB).

5.6 – VERSÕES PORTUGUESAS
Portugal com todo o seu valor histórico e sentimento religioso não deixou uma tradução da Bíblia em língua popular. O primeiro esforço para divulgação das Escrituras em português foi da rainha d. Leonora, esposa de D. João, rei de Portugal que em 1495 mandou imprimir uma tradução da Vida de Cristo, escrita em latim por Ludolfo da Saxônia. Em 1505 a mesma rainha mandou imprimir uma versão dos Atos dos Apóstolos e das Epístolas Universais de São Tiago, São Pedro, São João e São Judas. Em 1495 apareceu uma edição litúrgica da Epístolas e Evangelhos traduzidos por Gonçalo Garcia.

5.7 – A VERSÃO DE ALMEIDA
João Ferreira de Almeida nasceu em Lisboa em 1628, filho de católicos e entre os holandeses aceitou a fé na Igreja Reformada,aos treze anos de idade, cuja conversão se atribui à leitura de um folheto em espanhol sobre a diferença entre a Igreja Reformada e a Romana. Antes de completar quinze anos de idade traduziu de espanhol para o português um resumo dos Evangelhos e Epístolas. E aos dezesseis anos traduziu o N.T. do latim, consultando as versões espanholas, italianas e francesa, como também a Liturgia e Catecismo de Heidelberg. Em 1656 foi ordenado ministro, falecendo em 1691. Escreveu várias obras, sendo o destaque a Bíblia em português.. A primeira edição do Novo Testamento de Almeida foi impressa em Amsterdã, em 1681. A primeira edição completa do V.T. do padre Almeida foi impressa de 1748 a 1753 em dois volumes. A parte que Almeida não chegou a traduzir, de Ez 48:21, em diante, foi obra de Jacob Ofden Akkar, ministro na Batávia. Almeida levou sua vida pregando o Evangelho em Java, Ceilão e na Costa de Malabar. Grande exemplo Bibliografia 1 Estudo Panorâmico da Bíblia
***- A Bíblia se divide em duas partes: Antigo Testamento e Novo Testamento. Tem 66 livros, sendo 39 no Antigo Testamento e 27 no Novo Testamento.
– O Salmo 119 tem, em hebraico, 22 seções de oito versículos. Cada uma das seções inicia com uma letra do alfabeto hebraico, de 22 letras. Dentro das seções, cada versículo inicia com a letra da seção.
– Que “o caminho de um sábado” era o caminho permitido no dia de sábado; a distâcia que ia da extremidade do arraial das tribos ao tabernáculo, quando no deserto, isto é, cerca de 1.200 metros . – O capítulo 19 de II Reis é igual ao 37 de Isaías.
– No livro Lamentação de Jeremias, os capítulos 1, 2 e 4 têm versículos em número de 22 cada, compreendendo as letras do alfabeto hebraico. O capítulo 3 tem 66 versículos, levando cada três deles, em hebraico, a mesma letra do alfabeto.
– A Menor Bíblia A menor Bíblia existente foi impressa na Inglaterra e pesa somente 20 gramas . Este fabuloso exemplar da Bíblia mede 4,5 cm de comprimento, 3 cm de largura e 2 cm de espessura. Apesar de ser tão pequenina, contém 878 páginas, possui uma séria de gravuras ilustrativas e pode ser lida com o auxílio de uma lente.
– A Maior Bíblia A maior Bíblia que se conhece, contém 8.048 páginas, pesa 547 quilos e tem 2,5 metros de espessura. Foi confeccionada por um marceneiro de Los Angeles, durante dois anos de trabalho ininterrupto. Cada página é uma delgada tábua de 1 metro de altura, em cuja superfície estão gravados os textos.
– Vamos Ler a Bíblia ? A Bíblia contém 31.000 versículos e 1.189 capítulos. Para sua leitura completa, são necessárias 49 horas, a saber, 38 horas para a leitura do Velho Testamento e 11 horas para a do Novo Testamento. Para lê-la audivelmente, em velocidade normal de fala, são necessárias cerca de 71 horas. Se você deseja lê-la em 1 ano, deve ler apenas 4 capítulos por dia.
– Tradução: Você sabia que das 2.000 línguas e dialetos falados no mundo, cerca de 1.200 já possuem a Bíblia ou textos bíblicos traduzidos?
– O nome “Bíblia” vem do grego “Biblos”, nome da casca de um papiro do século XI a.C.. Os primeiros a usar a palavra “Bíblia” para designar as Escrituras Sagradas foram os discípulos do Cristo, no século II d.C.;
– Ao comparar as diferentes cópias do texto da Bíblia entre si e com os originais disponíveis, menos de 1% do texto apresentou dúvidas ou variações, portanto, 99% do texto da Bíblia é puro. Vale lembrar que o mesmo método (crítica textual) é usado para avaliar outros documentos históricos, como a Ilíada de Homero, por exemplo;
– É o livro mais vendido do mundo. Estima-se que foram vendidos 11 milhões de exemplares na versão integral, 12 milhões de Novos Testamentos e ainda 400 milhões de brochuras com extratos dos textos originais;
– Foi a primeira obra impressa por Gutenberg, em seu recém inventado prelo manual, que dispensava as cópias manuscritas;
– A divisão em capítulos foi introduzida pelo professor universitário parisiense Stephen Langton, em 1227, que viria a ser eleito bispo de Cantuária pouco tempo depois. A divisão em versículos foi introduzida em 1551, pelo impressor parisiense Robert Stephanus. Ambas as divisões tinham por objetivo facilitar a consulta e as citações bíblicas, e foi aceita por todos, incluindo os judeus;
– A Bíblia foi escrita e reproduzida em diversos materiais, de acordo com a época e cultura das regiões, utilizando tábuas de barro, peles, papiro e até mesmo cacos de cerâmica;
– Com exceção de alguns textos do livro de Ester e de Daniel, os textos originais do Antigo Testamento foram escritos em hebraico, uma língua da família das línguas semíticas, caracterizada pela predominância de consoantes;
– A palavra “Hebraico” vem de “Hebrom”, região de Canaã que foi habitada pelo patriarca Abraão em sua peregrinação, vindo da terra de Ur;
– Os 39 livros que compõem o Antigo Testamento (sem a inclusão dos apócrifos) estavam compilados desde cerca de 400 a .C., sendo aceitos pelo cânon Judaico, e também pelos Protestantes, Católicos Ortodoxos, Igreja Católica Russa, e parte da Igreja Católica tradicional;
– A primeira Bíblia em português foi impressa em 1748. A tradução foi feita a partir da Vulgata Latina e iniciou-se com D. Diniz (1279-1325).
– A primeira citação da redondeza da terra confirmava a idéia de Galileu, de um planeta esférico. Bastava que os descobridores conhecessem a bíblia. (Isaías 40: 22)
– Davi, além de poeta, músico e cantor foi o inventor de diversos instrumentos musicais. (Amós 6: 5)
– O tio e a tia de Jesus se tornaram “crentes” na sua pregação antes de sua crucificação. (Lucas 24: 13 – 18, João19: 25)
-O nome “cristão” só aparece três vezes na Bíblia. (Atos 11: 26, Atos 26: 28 e I Pedro 4: 16)
– A “Epístola da Alegria” , a carta de Paulo aos Filipenses, foi escrita na prisão e as expressões de alegria aparecem 21 vezes na epístola.
– Quem dá aos pobres, empresta a Deus, e Ele lhe pagará. (Provérbios 19: 17)
– O trânsito pesado e veloz, os cruzamentos e os faróis acesos aparecem descritos exatamente como nos dias de hoje. (Naum 2: 4)
– A mensagem através de “out-doors” é uma citação bíblica detalhada. (Habacuque 2: 2)
– Quem cortou o cabelo de Sansão não foi Dalila, mas um homem. (Juízes 16: 19)
– O nome mais comprido e estranho de toda a bíblia é Maersalalhasbas – filho de Isaias.
(Isaías 8: 3 – 4)
– Você sabia que a palavra fé é encontrada apenas quatro vezes no Antigo Testamento?
(Hc 2: 4; Jz 9:16, 9:19; e 1º Sm 21:5)
– Você sabia que a palavra “DEUS” aparece 2.658 vezes no V.T. e 1.170 vezes no N.T. num total de 3.828 vezes??
– Há na Bíblia 177 menções ao diabo em seus vários nomes.
– O maior versículo é no livro de Ester capítulo 8 versículo 9.
– O menor versículo é no livro de Êxodo capítulo 20 versículo 13.
– O versículo central da Bíblia é o Salmo cap. 118 ver:8, o qual divide a mesma ao meio.
– Os livros de Ester e Cantares de Salomão não possuem a palavra DEUS.
– A expressão “Assim diz o Senhor” e equivalentes encontram-se cerca de 3.800 vezes na Bíblia.
– A Vinda do Senhor é referida 1845 vezes na Bíblia, sendo 1.527 no Antigo Testamento e 318 no
Novo Testamento.
– A Palavra “Senhor” é encontrada na Bíblia 1.853 vezes e “Jeová (YHVH)” 6.855 vezes.
– A expressão “Não Temas!” é encontrada 366 vezes na Bíblia, o que dá uma para cada dia do ano!
– No Salmo 107 há 4 versículos iguais: 8, 15, 21 e o 31.
– Todos os versículos do Salmo 136 terminam da mesma maneira.
Para aprender mais, LEIA A BÍBLIA!.

1. Quem profetizou que a luz da lua seria tão brilhante quanto a do sol ? Isaias 30:26
2. Onde é mencionada uma rede de dormir ? Isaías 24:20 (SBB)
3. Quem queimou uma víbora viva ? Atos 28:3,5
4. Quantos conveses havia na arca de Noé ? Gênesis 3:16
5. Quem fez um machado de ferro flutuar ? II Reis 6:5,7
6. Qual o pai de dois filhos que foi também o seu avô ? Gênesis 19:36-38
7.De quem a respiração era semelhante ao aroma das maçãs ? Cantares 7:1-8
8. Quem descobriu fontes termais no deserto ? Gênesis 36:24
9. Qual a única referência da bíblia a anões ? Levítico 21:20
10. Qual o livro da bíblia que não contém o nome de Deus ? O livro de Ester
11. Qual o salmo mais curto ? Salmos 117
12. Onde se diz, na Bíblia, que é difícil domesticar um boi selvagem ? Jó 39:9-12
13. Onde são descritos os espirros do crocodilo ? Jó 41:18
14. Quais os dois lugares em que são mencionados pavões ? I Rs 10:22,II Cr 9:21
15. Que homens tinham rostos semelhantes a leões ? I Crônicas 12:8
16. Onde há pena de morte prescrita para um animal ? Êxodo 21:28
17. Onde se fala da planta do pé da pomba ? Gênesis 8:9
18. Quem comeu carne de vitela preparada por uma feiticeira ? I Samuel 28
19. Quem é o único escritor da Bíblia que menciona o estômago ? Juízes 1:7
20. Quem comeu o próprio filho ? II Reis 6:29
21. Quem comeu um livrinho e teve indigestão ? Apocalipse 10:10

Você sabia que…
Judas Iscariotes não morreu enforcado ? Judas foi se enforcar em uma arvore, mais algo aconteceu e o galho ou a corda se rompeu e Judas despencou e seus órgãos se derramaram pelo chão. Irmãos, convinha que se cumprisse a escritura que o Espírito Santo predisse pela boca de Davi, acerca de Judas, que foi o guia daqueles que prenderam a Jesus; pois ele era contado entre nós e teve parte neste ministério. Ora, ele adquiriu um campo com o salário da sua iniqüidade; e precipitando-se, caiu prostrado e arrebentou pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram (Atos 1:16-18).
Você sabia que…
Os Continentes eram unidos ? A ciência descobriu a pouco tempo aquilo que a Bíblia sempre disse : que a terra surgiu das águas (Sl 104:6) e que no início todos os continentes eram unidos. ” E disse Deus: Ajuntem-se num só lugar as águas que estão debaixo do céu, e apareça o elemento seco. E assim foi. Chamou Deus ao elemento seco terra, e ao ajuntamento das águas mares. E viu Deus que isso era bom.” (Gn 1:9,10).
Você sabia que…
A Terra é arredondada ? Durante muitos anos a ciência afirmou que a Terra era plana, e Galileu Galilei discordou e disse que a Terra era redonda. Por isso foi condenado a morte pela igreja católica (que desconhece a palavra de Deus). Mas a Bíblia sempre desmentiu a Ciência e o catolicismo confirmando a teoria de Galileu Galilei, que mas tarde foi ratificada pela Ciência. E a igreja Católica foi obrigada a pedir perdão. ” E ele o que está assentado sobre a redondeza da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos; é ele o que estende os céus como cortina, e o desenrola como tenda para nela habitar.” Isaías 40:22
Você sabia que…
No interior da Terra há fogo ? A ciência descobriu a pouco tempo aquilo que a Bíblia sempre disse : que no interior da Terra há fogo. “Quanto à terra, dela procede o pão, mas por baixo é revolvida como por fogo.” (Jó 28:5)
Você sabia que…
O Hipopótamo é a obra-prima dos feitos de Deus. “Contempla agora o hipopótamo, que eu criei como a ti, que come a erva como o boi. Eis que a sua força está nos seus lombos, e o seu poder nos músculos do seu ventre. Ele enrija a sua cauda como o cedro; os nervos das suas coxas são entretecidos. Os seus ossos são como tubos de bronze, as suas costelas como barras de ferro. Ele é obra prima dos feitos de Deus; aquele que o fez o proveu da sua espada.” (Jó 40:15-19)
Você sabia que…
O Crocodilo é o rei dos animais ? ” Poderás tirar com anzol o crocodilo, ou apertar-lhe a língua com uma corda? Na terra não tem igual a ele ; pois foi feito para nunca ter medo. Ele vê com desprezo tudo o que é alto; é rei sobre todos os animais orgulhosos.” (Jó 41:1,33,34)
Você sabia que…
Os anjos são mais fortes e mais poderosos que os homens ? O homem foi criado por Deus num estágio inferior aos anjos. “Que é o homem, para que te lembres dele? ou o filho do homem, para que o visites? Fizeste-o um pouco menor que os anjos, de glória e de honra o coroaste “(Hb2:6,7) ” enquanto que os anjos, embora maiores em força e poder, não pronunciam contra eles juízo blasfemo diante do Senhor.” (2ª Pedro 2:11)
Você sabia que:
Jesus Cristo é tema central das Escrituras? Se olharmos com muito cuidado, veremos que em tipos, figuras, símbolos e profecias, Jesus ocupa o lugar central das Santas Escrituras. Vejamos:
Em Gênesis – Ele é o Descendente da mulher
Em Êxodo – Ele é o nosso Cordeiro Pascal
Em Levitico – Ele é o nosso Sacrifício pelo pecado
Em Números – Ele é aquele que foi Levantado para nossa Salvação
Em Deuteronômio – Ele é o verdadeiro Profeta
Em Josué – Ele é o Capitão da nossa salvação
Em Juizes – Ele é o nosso Juiz e Libertador
Em Rute – Ele é o nosso parente Resgatador
Em Samuel, Reis e Crônicas – Ele é o nosso Rei
Em Esdras e Neemias – Ele é o nosso Restaurador
Em Ester – Ele é o nosso Advogado
Em Jó – Ele é o nosso Redentor que vive
Em Salmos – Ele é o nosso Socorro e Alegria
Em Provérbios – Ele é a Sabedoria de Deus
Em Eclesiastes – Ele é o Alvo Verdadeiro
Em Cantares de Salomão – Ele é o Amado de nossas Almas
Em Isaias – Ele é o Messias Prometido
Em Jeremias e Lamentações – Ele é o Renovo da Justiça
Em Ezequiel – Ele é o Filho do Homem
Em Daniel – Ele é o Quarto Homem na Fornalha
Em Oséias – Ele é aquele que Orienta o Desviado
Em Joel – Ele é o Restaurador Divino
Em Amós – Ele é o Divino Lavrador
Em Obadias – Ele é o nosso Salvador
Em Jonas – Ele é a nossa Ressurreição e Vida
Em Miquéias – Ele é a Testemunha contra as nações rebeldes
Em Naum – Ele é a Fortaleza no Dia da Angustia
Em Habacuque – Ele é o Deus da nossa Salvação
Em Sofonias – Ele é o Senhor Zeloso
Em Ageu – Ele é o Desejado de todas as nações
Em Zacarias – Ele é o Renovo da Justiça
Em Malaquias – Ele é o Sol da Justiça
Em Mateus – Ele é a Promessa Viva
Em Marcos – Ele é o Servo de Deus
Em Lucas – Ele é o Filho do Homem
Em João – Ele é o Filho de Deus
Em Atos – Ele é o Senhor Redivino
Em Romanos – Ele é a nossa Justiça
Em I e II Corintios – Ele é o Senhor e a nossa Suficiência
Em Gálatas – Ele é o nosso Libertador do jugo da lei
Em Efésios – Ele é o nosso Tudo em Todos
Em Filipenses – Ele é a nossa Alegria
Em Colossenses – Ele é a nossa Vida
Em I e II Tessalonicenses – Ele é Senhor que irá Voltar
Em I e II Timoteo – Ele é o nosso Mestre e Exemplo
Em Tito – Ele é o nosso Modelo
Em Filemon – Ele é o nosso Senhor e Mestre
Em Hebreus – Ele é o nosso Intercessor junto ao trono de Deus
Em Tiago – Ele é o nosso Modelo da Verdade
Em I e II Pedro – Ele é a nossa Força e a Pedra Angular de nossa Fé
Em I,II e III João – Ele é a nossa Vida, a nossa Verdade e o nosso Caminho
Em Judas – Ele é o nosso Protetor
Em Apocalipse – Ele é o nosso Rei Triunfante.
Disse Jesus: “Examinai as Escrituras, Porque julgais ter nelas a vida Eterna,e são elas que testificam de Mim, contudo não quereis vir a mim para terdes vida. Eu não aceito glória dos homens”. João 5:39 ao 41.
* A terra só passou a produzir espinhos depois da desobediência de Adão – Gênesis 3:17-18 * O Dilúvio não foi apenas uma grande chuva; foi a primeira chuva que veio sobre a terra – Gênesis 2:6 / Gênesis 7:4 * Uma das coisas que diferenciam a Bíblia de outros livros é a sua unidade. Foi escrita num período de 1500 anos por mais de 40 autores, tendo uma completa harmonia. * A primeira citação da redondeza da terra confirmava a idéia de Galileu de um planeta esférico, bastava os descobridores conhecerem a Bíblia – Isaías 40:22 * O movimento ecológico começou por um alerta de Deus – Êxodo 23:28-29 * O Antigo Testamento apresenta 332 profecias literalmente cumpridas em Cristo. * O menor versículo bíblico é o que mais revela a humanidade de Jesus – João 11:35
* O trânsito pesado e veloz, os cruzamentos, aparecem descritos exatamente como hoje – Naum 2:4
* A mensagem através de “out-door” é uma citação bíblica detalhada – Habacuque 2:2
* O “dia da noiva” mais longo durou um ano, e contou com uma preparação tão especial que até hoje é desconhecida – Ester 2:12
* Quem cortou o cabelo de Sansão não foi Dalila, mas um homem – Juízes 16:19
* A questão salarial e a responsabilidade trabalhista são uma preocupação divina há tempos – Tiago 5:4
– Quando Deus destruiu as cidades de Sodoma e Gomorra (Gên. 19.23-25), Ele fez questão que elas não fossem reconstruídas. Arqueólogos acreditam que as duas cidades estão hoje debaixo d’agua na parte rasa do mar Morto. A água pode ter surgido em decorrência de um terremoto em torno do ano 2000 a .C.

– Se o nome dele tem a ver com seu hábito ao dormir, você provavelmente não iria querer passar uma noite na casa de Naor. Seu nome significa “roncador” (Gên.22.23,24).

– Nos dias de Abraão, uma maneira de demonstrar que você estaria disposto a cumprir uma promessa era colocar sua mão debaixo da coxa da pessoa a quem você estaria fazendo a promessa (Gên. 24.2).

– Jacó foi o primeiro especialista em maquiagem do mundo. Com um pouco de ajuda de sua mãe, Rebeca, e um pouco de efeito cosmético, ele enganou seu pai, Isaque, fazendo-o pensar que ele era seu irmão mais velho, Esaú (Gên. 27.14-29). Ao abençoar Jacó por engano, em vez de Esaú, Isaque estava cumprindo a promessa de Deus a Rebeca em Gênesis 25.23

– A primeira luta na Bíblia não foi um evento de três “rounds”, durou toda a noite. O oponente de Jacó tinha uma força sobrenatural, mas Jacó terminou a sua luta sem ser derrotado – apesar de receber um golpe na luta que lhe rendeu o nome de um vencedor, Israel, que significa “Ele lutou com Deus”.

– Fabricar tijolos no Egito era um processo lento para os israelitas. Registros egípcios mostram que uma pessoa produzia cerca de 65 tijolos por dia. Um oleiro moderno produz cerca de 3.500 tijolos por dia.

– Em Exodo 3.14 Deus pela primeira vez revela seu nome: Eu Sou Quem Sou, ou Yahweh (Jeová) – Este é o nome mais comum de Deus no Velho Testamento, aparecendo cerca de 6.800 vezes na língua original, o Hebraico. Em nossa tradução esse nome vem traduzido por “Senhor”.

– Adão – o homem no Jardim do Eden – parece que recebe mais culpa pelo pecado do que realmente merece em Romanos 5.12-21. Mas não se sinta triste demais por ele. Paulo usa Adão para representar todas as pessoas. Isto não surpreenderá mais quando você ficar sabendo que “Adão” significa “ser humano”.

– Os receptores da carta aos Romanos moravam na capital do gigante e poderoso império Romano (Rom. 1.7). Os romanos construíram um sistema rodoviário de 400.000 quilômetros que circulariam o Equador dez vezes se fosse uma rodovia reta.

– Construir o templo de Salomão iria arruinar qualquer orçamento de uma igreja. De acordo com uma estimativa, somente o ouro que revestia o templo seria cotado em quase 36 bilhões de dólares em valores atuais.

– Era necessário matar 30 bois todos os dias (além da quantidade de outras comidas) para alimentar todas as pessoas que comiam à mesa de Salomão (I Reis 4.23). Seria o equivalente a 120.000 Big Macs por dia.

– Se você pensa que o colchão d’água é algo recente, leia Exodo 2.3, em que Moisés recebeu o primeiro colchão d’água na Bíblia. O capim alto no qual ele foi colocado provavelmente era papiro, que os egípcios usavam para fazer papel.
– A Bíblia se divide em duas partes: Antigo Testamento e Novo Testamento. Tem 66 livros, sendo 39 no Antigo Testamento e 27 no Novo Testamento.

– O Salmo 119 tem, em hebraico, 22 seções de oito versículos. Cada uma das seções inicia com uma letra do alfabeto hebraico, de 22 letras. Dentro das seções, cada versículo inicia com a letra da seção.

– Que “o caminho de um sábado” era o caminho permitido no dia de sábado; a distância que ia da extremidade do arraial das tribos ao tabernáculo, quando no deserto, isto é, cerca de 1.200 metros .

– O capítulo 19 de II Reis é igual ao 37 de Isaías.

– No livro Lamentação de Jeremias, os capítulos 1, 2 e 4 têm versículos em número de 22 cada, compreendendo as letras do alfabeto hebraico. O capítulo 3 tem 66 versículos, levando cada três deles, em hebraico, a mesma letra do alfabeto.

– O menor livro do mundo tem cerca de 18 milímetros de comprimento por 12 de largura. Trata-se de um Novo testamento, impresso nos Estados Unidos em 1895. Constitui-se de 860 páginas.

A ÁRVORE DO CONHECIMENTO

A Bíblia contém cerca de 3.565.480 letras.

773.692 palavras.

31.173 versículos.

1.189 capítulos e 66 livros.

O capítulo mais comprido é o Salmo 119;

O mais curto, Salmo 117,

O meio exato da Bíblia é o versículo 8 do Salmo 118.

O nome maior está em Isaías 8.

A palavra “Senhor” ocorre 8.000 vezes.

O capítulo 37 de Isaías é idêntico ao capítulo 19 de II Reis.

O versículo mais longo é o 9 do capítulo 8 do livro de Ester.

O versículo mais curto é: “Não matarás”, Êxodo 20:13.

O capítulo 28 do livro de Atos do Apóstolos, é dos mais recomendados para ser lido.

A Bíblia, até a data de 1.961 já foi traduzida, toda ou em porções, em 1.181 línguas e dialetos.

A Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro possui dois caríssimos exemplares da Bíblia avaliados em R$ 40.000.000,00.

A menor edição que se conhece da Bíblia, foi feita na Universidade de Oxford em 1875 e tem o comprimento de duas polegadas e meia.

As páginas da Bíblia são um espelho em que se reflete o estado da alma do homem, mas também aparece a plenitude do amor de DEUS mostrando o caminho da vida.

Na Bíblia o homem encontra o próprio DEUS.

Na Bíblia há suctidade, perfeição, pureza e poder de DEUS para salvar o que crêr.

Curiosidades Biblicas
1- Deus foi comparado a uma águia e a uma galinha (Dt 32:11 ; Gn 3:17-18)
2- A terra só passou a produzir espinhos depois do pecado da desobediência de Adão (Gn 3:17-18)
3- As tábuas da lei foram feitas por Deus e quebradas por Moisés, e depois feitas por Moisés e rescritas por Deus (Ex 34:11)
4- Moisés fez o povo beber o ouro do bezerro da desobediência (Ex 32:19-20)
5- A arca de Noé media 134 m de comprimento, 23m de largura e 14m de altura; sua área total nos três pisos era de 9.250 (m2) e um volume total de 43.150 (m3).
6- Noé permaneceu na arca 382 dias (Gn 7:9-11 ; 8:13-19)

7- Davi foi ungido três vezes obtendo uma gloriosa confirmação (1 Sm 16:1-13 ; 2 Sm 2:4 ; 1 Cr 11:1-3)
8- Salomão não era o único sábio, havia mais quatro sábios (1 Rs 4:29-31)
9- O Antigo Testamento apresenta 332 profecias literalmente cumpridas na pessoa de Jesus Cristo.
10- As melhores e maiores pregações de Jesus foram realizadas por Ele assentado (Mt 5:1-2 ; Lc 4:20-21 ; 5:3)
11- Um curioso e desconhecido foi forçado a carregar a cruz com Jesus (Mt 17:23)
12- Paulo pregou o maior discurso descrito pela Bíblia (At 20:7-11)
13- O maior profeta jamais realizou um milagre, contudo foi o pregador mais convincente (Jo 10:41-42)
14- Quem dá aos pobres, empresta a Deus e Ele lhe pagará (Pv 19:17)
15- A gozação feita por 42 rapazes, chamando o profeta de Deus de careca 9calvo) teve um fim desastroso (2 Rs 2:23)
16- A mensagem através de “out door” é uma citação bíblica (Hb 2:2)
17- O maior nome da Bíblia é Maersalalhasbaz que era filho de Isaias (Is 8:3-4)
18- Não foi Dalila que cortou o cabelo de Sansão, e sim um homem (Jz 16:19)
19- Setecentos homem atiravam pedras com uma funda sem errar um fio de cabelo (Jz 20:16)
20- O transito pesado e veloz, os cruzamentos aparecem descritos exatamente como hoje (Naum 2:4)
21- O “sermão do monte” poderia ser chamado de “sermão da planicie” (Mt 5:1 ; Lc 6:17)

Abracadabra” vem do hebraico e significa “criarei ao falar” (Evra Kedabra)?
* Muito antes de Colombo (que talvez era judeu), o Talmud de Jerusalém (tratado de Avodá Zará) já declarava que “o mundo é redondo”?
* A construção de uma mikve casher é mais importante que a construção de uma sinagoga? Pode-se e deve-se vender uma sinagoga e até um sefer Torá para viabilizar a construção de um mikve !!!!
* De 1892 a 1896, o judeu alemão Otto Lilienthal fez mais de 2000 vôos tipo asa delta, muito antes dos irmãos Wright ou Santos Dumont (falecendo no último vôo…)?
* No início, os muçulmanos, liderados por Maomé, rezavam voltando-se para Jerusalém. Depois, quando Maomé não conseguiu atrair os judeus para sua nova religião, mudou a direção para Meca, totalmente frustrado com a “teimosia” dos judeus?
* Sigmud Freud era conhecido na sua cidade natal, Freiberg, como “Shloimele”, pois esse é o nome que seu pai, Yankl, lhe deu no seu Brit Milá?
* O Petróleo como fonte de iluminação foi descoberto em 1853 por um judeu galitsianer da cidade de Boryslaw chamado Avraham Schreiner (1820 – 1900)?
* A divisão da Bíblia em capítulos não é de origem judaica? Foi feita por cristãos com intuito de “reinterpretar” certas passagens e durante os debates religiosos da Idade Média acabou tornando-se necessária para nós, suplantando o uso da divisão natural da Torá em Parashiot pequenas e grandes?
* Moshe Rabeinu recebeu no monte Sinai, além das Luchot – Tábuas da Lei com os dez mandamentos e parte da Torá escrita em pergaminho (igual a que nós temos hoje nas sinagogas). A Torá oral, isto é, explicações e detalhes de tudo que estava escrito na Torá, ele recebeu de Deus oralmente (mais tarde parte dela foi escrita no Talmud).
* Adam (Adão) foi criado como uma pessoa com a idade de 20 anos.
* A fruta proibida não era maça, mas sim figo. (Há, no Talmud, outras opiniões: uva ou então trigo. Uma quarta opinião: o Etrog).
* Adam deu o nome (hebraico) para todas as espécies criadas.
* O homem que mais viveu na face da terra foi Metushelach (Matusalém). Ele viveu 969 anos e faleceu uma semana antes do dilúvio.
* Yitschak foi o único patriarca que nunca saiu de Israel. Pela sua santidade, por ter sido preparado para um sacrifício, ele não podia sair de Israel. Por isso Avaraham mandou seu ajudante Eliezer procurar-lhe uma esposa.
* No Mearat Hamachpelá estão enterrados quatro casais: Adam e Chava, Avraham e Sara, Yitschak e Rivka e Yaacov e Lea. Eliezer, o servo de Avraham, tinha uma filha e queria que Yitschak se casasse com ela.
* O ditado “As paredes têm ouvidos” aprendemos desta Parashá quando Yaacov chama Rachel e Léa para conversar no campo.
* Iam Suf (mal traduzido como Mar Vermelho – vide acima) foi dividido e aberto por Deus (através de Moshe e do auto-sacrifício de Nachshon Ben Aminadav) no 7º dia de Pessach. Consta nos Salmos que Deus abriu o mar em várias partes. isto é, em 12 partes – um “corredor” especial para cada tribo !!!
* A pizza foi elaborada pela primeira vez no período após a destruição do segundo templo, quando os habitantes de Roma viram , surpresos, a matsá shmurá redonda feita a mão, na casa dos judeus capturados e exilados pelos Romanos. Para melhorar o seu gosto, resolveram assá-la com azeite e queijo, e assim tudo acabou em pizza.?…
Bíblia & Gasolina
Foi, realmente, singular, o meio pelo qual se descobriu a existência de gasolina no Egito e que se constitui, hoje, uma das suas grandes riquezas nacionais.Referem notícias históricas que um dos diretores da Standard Oil Company estava, certo dia, lendo sua Bíblia, quando seu pensamento se fixou na informação detalhada do Êxodo. Descrevendo as providências todas que Joquebede tomou para livrar seu filho da fúria de Faraó, assim dizia o versículo três do segundo capitulo: “Não podendo, porém, esconde-lo por mais tempo, tomou um cesto de junco, calafetou-o de betume e piche, e, pondo nele o menino, largou-o no carriçal, à beiro do rio”.Ora, raciocinou, inspiradamente, aquele homem de empresa, onde existe betume e piche deve haver, obrigatoriamente, petróleo. A conclusão era evidente, pois a Palavra de Deus não poderia mentir.E, sem perder tempo, aquele leitor criterioso das Sagradas Escrituras encaminhou, aos demais diretores da Companhia sob seus cuidados, a significativa idéia que a Bíblia lhe havia transmitido.Assim foi que, imediatamente, seguiu para a região descrita pelo Êxodo um técnico em sondagens petrolíferas. Tratava-se do engenheiro Charles Whistsholt que, após estudos do terreno e diligentes pesquisas do solo, encontrou verdadeiros mananciais de petróleo, naquelas distantes regiões. Esse fato, sobre provar a veracidade das informações do Livro eterno, lembra-nos quanta riqueza espiritual, de sabor eterno, muito mais relevante do que aquelas que constituem o patrimônio de qualquer empresa comercial do mundo. Razão tinha o Apóstolo insuperável ao recomendar a seu filho na fé, Timóteo, aquelas Sagradas Letras, que o poderiam tornar sábio, verdadeiramente sábio!
O Príncipe de Granada
O rei de Espanha, temendo que o príncipe de Granada, como herdeiro legítimo do trono, tentasse-lhe tomar a coroa, resolveu prendê-lo em um calabouço de Madri. Passados vinte anos, o príncipe faleceu. Examinada a prisão, foi deparada na parede uma escrita, feita com a ponta de um prego, onde se lia: “A palavra Senhor é encontrada na Bíblia 1.853 vezes; Jeová, 6.855; o segundo verso do Salmo 117, marca a metade da Bíblia; o verso maior dela é Ester 8:9; o menor é João 11:35; no Salmo 107, há quatro versos iguais: 8, 15, 21, 31. Todos os versos do Salmo 136 terminam da mesma maneira; na Bíblia não se encontra nenhuma palavra ou nome que tenha mais de seis sílabas; o capítulo 37 de Isaías e o 19 de II Reis são iguais; a palavra menina só aparece uma vez em Joel 3:3. No Antigo e Novo Testamentos, há 3.586.483 letras, 773.693 palavras, 31.373 versos, 1.179 capítulos e 66 livros. Estes estão divididos assim: 39 no Velho e 27 no Novo. Todos esses livros foram escritos por 36 autores em 16 séculos. Foram usados três idiomas: hebraico, aramaico e grego.
CURIOSIDADES
DOSSIE DISNEY
Já se afirmou que as revistas e os filmes de Walt Disney, o criador da Disneylândia, da Disney World e do desenho animado, são como livrinhos de catecismo, cujo objetivo é ensinar a crença no capitalismo. Quando traçamos um perfil psicológico dos personagens, verificamos que cada um deles reflete uma posição social, de maneira que a criança, o adolescente ou o jovem possa estar criando uma empatia com eles, se identificando e se conformando com sua situação.
Você já percebeu que: os sobrinhos de Donald, parecem não ter filiação (pelo menos raramente se pronunciaram a respeito) e que apesar disso, vivem felizes para sempre? Que o ‘Manual dos Escoteiros’ é a sua bíblia? E que esta bíblia tem solução para todos os tipos de problemas que eles tem pela frente? Que este ‘Manual’ faz dezenas de citações a bruxas, feiticeiros e que ensina a criança até a fazer algumas mandingas ou pequenos feitiços? Que o Donald e o Mickey nunca se casam com Margarida e Minnie, respectivamente? Que são eternos namorados, e nunca constituem uma família? Que o Tio Patinhas passa um espírito de avareza e ambição incontrolável? Que freqüentemente está envolvido com Donald e seus sobrinhos, em expedições à terras distantes e ‘imaginárias’ em sua busca desenfreada por mais dinheiro? Que estes povos longínquos são (mostrados de maneira subliminar) povos do terceiro mundo, em especial da América Latina e Brasil? Que os índios mostrados nas histórias são sempre inimigos, e não os donos legítimos destas terras? Que desde pequenas, as crianças são ensinadas que o avanço e progresso tecnológico são conseguidos graças a ambição, domínio e força dos poderosos sobre os fracos, e que isso não é injustiça social?
Alguns fatos sobre a Disney:
Em 15/11/65, um homem chamado Walt Disney (1901-1966), revela ser o comprador das terras em Orlando, Flórida que em 1º/ 07/71, abriria as portas para o mundo como a ‘Disney World’. Uma reportagem do Dr. James Dopson no programa chamado “Focus in the family”, mostra Mickey Mouse apresentando o último vídeo da Disney: – “Crescendo Homossexual”, citando 2 Mickey gays e duas Minnie lésbicas. Através deste vídeo, o porta-voz da Disney convida todos adolescentes a explorar o “maravilhoso mundo da homossexualidade”. Recentemente a Disney comprou 11 mil acres de terras, para ensinar as técnicas da Nova Era, de Shirley McLane. Thomas Schumacker, diretor dos desenhistas da Disney é casado com um homem. Um homem que trabalhou 16 anos na Disney relatou que certa vez arrumando os armários dos donos, no 2º andar, viu dentro deles altares com velas negras e pentagramas (estrelas de 5 pontas), e que, em um pentagrama havia uma capa de fita de vídeo para cada ponta da estrela, consagradas ao diabo, para vender e fazer sucesso. Em 1993, a Disney compra os direitos das “Tartarugas Ninjas” da Mirage Studios. Só lembrando: As tartarugas, apesar de dóceis, são lerdas e preguiçosas. E ninja, caracteriza alguém senhor de si mesmo, auto-suficiente, inatingível. São caracteristicas marcantes da Nova Era, a auto-exaltação e adoração do homem.
O australiano Charles M. Jones (criador do Pernalonga) e Tex Avery, dissidentes da Disney, foram os fundadores da divisão de animação da Warner Bros, uma das maiores rivais da Disney .
Desde 1996, a Walt Disney World é anfitriã do dia anual de G.L.S (Gays, Lésbicas e Simpatizantes). Os organizadores do encontro retrataram num desenho animado Mickey e Donald , Minnie e Margarida como amantes homossexuais.
A maior igreja protestante dos EUA, a Convenção dos Batistas do Sul, em 1997, orientou seus quase 16 milhões de fiéis que boicotassem [deixassem de consumir] todos os produtos vinculados à Disney e empresas do grupo. Esta decisão foi tomada pela maioria absoluta de 12 convencionais reunidos em Dallas, Texas, sul dos EUA. O motivo que levou ao boicote foi a “direção antifamiliar e anticristã” da Disney, tendo como argumentos principais:
– A realização de “dias dos gays” na Disneyworld.
– A distribuição de filmes com conteúdo violento como “Kids” e “Pulp Fiction” .
– O programa de televisão “Ellen”, em que a personagem principal se revelou lésbica.
– Estender benefícios de assistência médica a parceiros do mesmo sexo de seus funcionários. (Jornal Folha de S.Paulo-Jun/97)
Relação dos Principais Vídeos da Disney:
Relacionamos a seguir apenas alguns desenhos considerados clássicos. Analisar toda obra da Disney seria uma tarefa que demandaria muito tempo. Porém uma coisa é certa: o exagero na tentativa de ivulgar o ocultismo em forma de magia, feitiçaria, encantos, fadas, gnomos, duendes e bruxas, bem como o homossexualismo, é algo que chega a incomodar todo aquele que desenvolve pesquisas nesta área.Todavia, queremos deixar claro que, os autores deste site, não tem nada contra os homossexuais, aliás, o próprio Deus instituiu o livre arbítrio, e deixou a cada indivíduo a sua opção de vida, opção esta, que também é garantida pela nossa constituição. Temos sim, nos pronunciado com relação à prática da homossexualidade, sem sentido, sem princípios, deflagrada pelos grandes meios de comunicação de massa. A mídia, de maneira geral, tem se encarregado desta divulgação, sem nenhum critério, sem planejamento, sem escrúpulos. Este fato tem provocado muitos problemas sociais, principalmente às camadas menos favorecidas da nossa sociedade. Milhares de jovens e adolescentes hoje, no Brasil e no mundo, estão adotando o homossexualismo como ‘estilo’ de vida, sem nenhum tipo de preparo ou conscientização, totalmente influenciados pelo poder massificante do meio. Muitos estão iludidos pela utopia, muitas vezes surrealista, pregada por seus ídolos, que entoaram ‘hinos de liberdade’, mas que, na verdade, não ajudaram nem a si próprios a se libertar das cadeias da depressão, do vazio de seus corações, das suas enfermidades do espírito e da alma, enfermidades estas, que tem levado tantos à própria morte. Este público [alvo], num primeiro momento, foi infectado primeiramente com o vírus midiológico inconsciente e, se foi inconsciente, logo não teve opção de escolha…
Branca de Neve e os 7 anões – (Snow white and the seven dwarfs) – (83 min. – 1937)
– Foi a 1ª obra prima de W. Disney – História baseada em conto de ‘fadas’ dos irmãos Grimm.
– Conta a história de Branca de Neve e sua madrasta, que também é rainha e bruxa e que tenta matá-la, com ciúme de sua beleza. Branca de Neve encontra refúgio na casa de 7 anõezinhos, que trabalham em uma mina.- A analogia dos 7 anões com os Gnomos é muito clara. Por que os anões trabalham numa mina subterrânea ? Ora, os gnomos nada mais são que pequenos espíritos que, segundo os cabalistas, habitam nas regiões subterrâneas. Logo se conclui, que o objetivo é passar a idéia que, apesar de muito feios, eles são bons, são protetores e amigos.
– Foi redesenhado várias vezes por 570 artistas ate se chegar à qualidade desejada. Custou 700 mil dólares (uma fortuna para a época) e ganhou um Oscar especial pela inovação cinematográfica.
– Este filme inspirou Disney a produzir uma série de outros longas-metragens que seriam clássicos da animação.
Fantasia – 135 min. – (1940)
– Como em quase todos os seus filmes, a Disney prega o mundo da fantasia. A fantasia é uma ilusão, uma mentira. A Bíblia diz que o pai da mentira é o diabo.
– No chapéu de bruxo do Mickey tem várias estrelas de 5 pontas e meias-luas, antigos símbolos do ocultismo.- O destaque é para o camundongo Mickey na cena dedicada à obra de Paul Dukas, ‘O Aprendiz de Feiticeiro’.-Mickey termina o filme com um ‘ritual satânico’.

Pinóquio – ( Pinocchio ) – 88 min. – 1940
– Conta a história de um boneco (marionete) de madeira, preferido de uma fada azul que lhe dá vida, enquanto o construtor de brinquedos dorme. Mas para ser um menino de verdade, precisa vencer o defeito de mentir, o que faz o seu nariz crescer.
– “Pinóquio é um dos mais perfeitos desenhos animados que W.Disney já produziu ” (Los Angeles Times) – Vencedor de 2 Oscars.
Dumbo – 64 min. – 1941
– Conta a história de um elefantinho que, por ter orelhas enormes é humilhado num circo, e é motivo de gozação dos palhaços. Este porém, descobre que pode voar ao abanar as orelhas.
– O filme mostra uma cena de Dumbo – embriagado – tem um sonho surrealista. Dumbo sonha com elefantes coloridos contando. Você não acha tudo isto muito estranho ? – Dumbo é um dos desenhos que consta de um trabalho recente feito nos Estados Unidos, divulgados pelo Harvard Center for Risk Analysis, pelos pesquisadores Fumie Yokota e Kimberly Thompson.
– De acordo com o estudo, a cena em que o elefante usa a tromba para ‘metralhar’ com amendoins os amigos que o importunam, pode passar subliminarmente a mensagem de que é certo reagir a uma gozação com violência.- O desenho é considerado um dos maiores clássicos da Disney, e ganhou um ‘Oscar’ com a trilha sonora.

O Elefante reage à gozação atirando amendoins com a tromba, como se fosse uma metralhadora.
Bambi – 67 min. – 1942
– Conta a história de um filhote de veado que fica órfão da mãe, e descobre os perigos da vida na floresta.
– O personagem é macho porém efeminado.
– O nome do tímido gambá é “Flor”.
– É orgulhosamente lembrado como o desenho animado preferido de Walt Disney.

Cena em que a mãe do veadinho é abatida com um tiro por um caçador.
Cinderela – A Gata Borralheira – 75 min. – 1950
– História adaptada da obra original de Charles Perrault do século XVII.
– Conta a história de uma jovem pobre que sonha com um príncipe ‘encantado’ para libertá-la da maldição . da madrasta.
– Um ratinho é descoberto no porão, e ainda não fala como os outros, amigos de Cinderela, porém quando colocam nele um chapeuzinho e um par de sapatinhos como de duendes, este imediatamente começa a falar.
– O nome do gato é lúcifer. Cinderela abre a porta do quarto, a luz entra e bate nos olhos do gato que acabara de acordar, e o chama: ” – Lúcifer, venha aqui”.
– Logo após esta cena, acontece um diálogo entre a Cinderela e o cachorro (Bruno) que acabara de ter um pesadelo com o gato (Lúcifer). Ela tenta convencê-lo que Lúcifer é bom, e diz: “…Lúcifer tem o seu lado bom…” Isto traz confusão na mente das crianças, pois quando os pais estiverem ensinando a respeito de Satanás, o filho que tem a cena gravada no seu subconsciente, diz a si mesmo: “Ora, mas ele tem o seu lado bom”.

A Bela Adormecida – ( Sleeping Beauty ) – 75 min – 1959
– Adaptada da obra de Tchaikovsky
– Uma princesa chamada Aurora, sofreu uma terrível maldição lançada por uma feiticeira e cai num sono eterno. Esta maldição só seria quebrada se o príncipe Felipe a beijasse, desde que ele enfrentasse a ira da bruxa Malévola. ” Sua família precisa ter para sempre este tesouro da Disney: O mais famoso clássico cheio de magia e de beleza sem precedentes…” diz o encarte da fita.
A Espada era a lei – (Sword in the Stone ) – 75 min. – 1963
– Conta a história de uma espada mágica encravada numa pedra, e um desafio tentador: quem tirá-la da pedra, será coroado rei da Inglaterra.
– Artur, um garoto esperto é ajudado pelo mágico Merlin, de quem torna-se protegido e ‘aprendiz’ e seu assistente Arquimedes.- Esta fita lança a terrível bruxa “Madame Min” .- Uma cena considerada ‘memorável’ é o duelo de feitiçaria entre Merlim e Madame Min.
Mowgli – O menino-Lobo – ( The Jungle Book ) – 1967
– Conta a história de um bebe que é criado por lobos, nas florestas da Índia do séc. XIX.
– A cobra olha nos olhos de Mowgli e diz: “Olha os meus olhos, eu vou levá-lo para baixo no abismo depois de hipnotizado, e você nunca mais poderá sair de lá”.
Robin Hood – 82 min. – 1973
– Quando Robin Hood vai roubar o dinheiro do príncipe João, ele se coloca dentro de uma carroça, se disfarça de cigana, coloca uma bola de cristal e diz que advinha o futuro, tem o zodíaco e fala: “Silêncio, vou fazer conjuros: Espíritos das densas trevas, vem !”.
Bernardo e Bianca – (The Rescuers) – 1977
– O filme conta a história de dois ratinhos que estão viajando sobre um velho albatroz e tentam ajudar uma menina a se livrar de sequestradores.- Este desenho exibe duas imagens de uma mulher com os seios de fora.- A cena acontece aos 28 minutos do filme, numa fração de segundo, quando o pássaro aterrissa e passa em frente a vários prédios. Em segundo plano, aparece a imagem de uma mulher com os seios de fora, numa das janelas. — Trata-se de uma técnica subliminar já testada e utilizada no cinema desde 1956 [consultar a seção “Nos Vídeos”]. Esta imagem da moça nua foi inserida em apenas dois dos 110 mil fotogramas que compõem o desenho.- Estas imagens só podem ser percebidas, se forem ‘congeladas’ no vídeo, ou seja, numa projeção normal a cena torna-se imperceptível a nível consciente.- “Pela primeira vez na história da companhia, a Disney admite ter em encontrado imagens subliminares num de seus filmes de animação” (Folha de S.Paulo-15.01.99), conforme um comunicado oficial emitido pela própria Disney em 08.01.99.- O prejuízo da Disney com o recolhimento de quase 4 milhões de fitas nos Estados Unidos, chegou a 78 milhões de dólares (Veja-20.01.99).

A Pequena Sereia – (Little Mermaid) – 82 min. – 1989
– Conta a história de Ariel, sereia filha de Netuno ‘rei dos mares’, que se apaixona por um príncipe (humano).- Na capa do Vídeo existe uma imagem subliminar, ou seja a imagem da coluna do palácio em segundo plano, na realidade é um órgão sexual masculino.
– Ela quer se tornar uma humana, porém a Bruxa diz para ela, que quer algo em troca: “Eu quero sua voz e sua alma”.- Quando a música ( Beije a moça) toca no fundo, há um grupo jamaicano falando palavras africanas, lançando maldições para as crianças que assistem.
– É um filme pornográfico infantil.- O padre que celebra o casamento de Ariel fica excitado.

O padre que celebra o casamento de Ariel fica excitado
A Bela e a fera – ( Beauty and the Beast ) – 85 min. – 1991
– A bruxa lança uma maldição ao rapaz, quando este não permite que ela durma no Palácio, transformando-o numa besta.
– Foi o primeiro clássico animado a receber uma indicação ao Oscar de melhor filme.
– “Um filme tão extraordinário que recebeu 6 indicações para o Oscar, inclusive a de melhor filme – a primeira recebida por um desenho animado” – diz o encarte da fita.
– Ganhou dois Oscars: O de trilha sonora e canção.
Aladdin – 90 min. – 1992
– História do garoto Aladdin que conta com a ajuda do ‘gênio da lâmpada mágica’ para vencer o temível . grão-vizir e casar com a princesa.- Quando Aladdin vem voando num tapete mágico, diz muito rápido: “Crianças boas e adolescentes, tirem suas roupas !”.- Uma criança de 5 anos, nos EUA, tirou suas roupas, e quando questionada pela mãe disse que o Aladin havia mandado, a mãe assistiu o filme para procurar esta passagem onde ele dava esta ordem, porém não encontrou, pois a mensagem foi produzida para surtir efeito apenas nas crianças.- Quando ele vem voando num tapete ele toma a espada e diz muito rápido: “mate-se, suicide-se”. São mensagens muito rápidas, só percebidas se prestarmos muita atenção ou congelarmos as imagens.- Vencedor de 2 Oscars: Melhor canção ( Um mundo ideal ) e melhor trilha sonora.
Hércules – 92 min.
– Conta a história de Hércules, que precisa provar que é um herói a seu pai, Zeus, que de acordo com a mitologia grega, é o maior dos deuses.
– No filme, o demônio sai do abismo e diz: “Meu nome é Hades, o senhor da morte”.
– ‘Uma fantasia repleta de magia e ação de proporções olímpicas…’ diz o encarte da fita.
Rei Leão – ( The Lion King ) – 1994
– A Revista TIME disse que é o vídeo mais sujo, mais perverso e carregado e de satanismo e violência que a Disney jamais produziu, e que as crianças que assistem este filme hoje, serão os próximos assassinos de amanhã.- John Smith (já falecido vitima de AIDS) era homossexual e foi quem criou Scar, o leão afeminado, que no filme anda rebolando.- A música cantada por Scar, é de Shirley McLane, uma das maiores divulgadoras da Nova Era, que diz: “Viva a Nova Era, a velha já era”.
– O babuíno feiticeiro Rafiki diz para o leãozinho que as estrelas vão guia-lo. Alusão clara à Astrologia.
– Ele diz também, que este não se sinta mal por ter matado alguém .
– O leão pai (já morto) fala das nuvens com o filho, uma alusão clara à reencarnação.- Em 2 cenas diferentes, partículas no ar formam a palavra “SEX”. Esta imagem tem a duração aproximada de 1 centésimo de segundo, e só é possível vê-las quando a imagem é congelada em vídeo.
– Uma criança de 11 anos nos EUA em 96, assistiu o Rei Leão 12 vezes e depois esquartejou a própria mãe. O irmão mais velho relatou que enquanto o irmão matava a mãe com uma machadinha, ouvia-o falando:- “O vídeo do Rei Leão disse: Eu posso matar você”.
– Em New Jersey , uma criança de 9 anos, despertava à noite dizendo “Eu vou matar você”.
– Outra criança disse à sua mãe quando esta cortava carne na pia: “mãe eu quero sua faca. A mãe pergunta para que? A criança responde: – “Eu quero matar você. O Rei Leão disse que eu posso matar você ! “.- Na sinopse da capa da fita de vídeo, está escrito: “…saindo das trevas surge seu invejoso tio Scar, que afasta Simba do trono e o leva ao exílio”.
– Recentemente, no Rio de Janeiro, um jovem foi preso por matar sua própria mãe. No cabo de seu revólver havia um adesivo do Rei Leão. Coincidência?
– Mufasa olha para as estrelas e diz para Simba, seu filho: “…olhe as estrelas. Os grandes reis do passado olham para nós lá das estrelas, e sempre que se sentir sozinho, procure lembrar que aqueles reis sempre estarão lá para guia-lo. E eu também estarei…” Esta cena faz referência à necromancia (consulta aos mortos).- A música “Can you feel the love tonight” é de Elton John, homossexual assumido.- O Rei Leão está entre os filmes de maior bilheteria do cinema. É ganhador de 3 Globos de Ouro.- Este filme ganhou também 2 Oscars: o de melhor trilha sonora e de canção original.
– Os atores Ernie Sabella e Nathan Lane disseram que os personagens que interpretam (‘Timão’, o siricate e ‘Pumba’, o javali) no filme foram ‘os primeiros personagens homossexuais da Disney a aparecerem na tela (N.Y.Times, 12.06.94).

Mensagem Subiminar encontrada no filme “Rei Leão”, na cena em que o personagem cai sobre as flores e levanta uma nuvem de poeira. É percebível a palavra “sex” (sexo em português).
Timão e Pumba – 1994
Quem assistiu ao filme “O REI LEÃO” conheceu os cativantes amigos inseparáveis Timão e Pumba, Timão um siricate cheio de auto estima e um ego super elevado, sempre querendo levar vantagem sobre seu amigo Pumba um javali calmo, amigável e um pouco sonso mas com um grande amor por seus amigos.
Foram eles que encontraram Simba após ele fugir para seu exílio e quase morrer se não fosse por seus novos amigos. Eles o ensinaram o estilo de vida “Hatuna Matata” que prega uma vida sem regras e sem ninguém para tirar satisfação de seus atos.
Os personagens foram de tal aceitação que receberam seu proprio desenho chamado agora “Timão e Pumba”, exibido em serie apareceram novos personagens e novas historias com os dois amigos.

Viva e seja feliz do jeito que você é: Timão e Pumba foram apontados como os primeiros personagens homossexuais produzidos pela Disney a aparecerem na tela do cinema, os atores Ernie Sabella e Nathan Lane foram quem levantou estas acusações. Mas mesmo que isto não viesse a tona, com uma análise comportamental logo se perceberia que se tratava de um comportamento do homossexual.Quando ambos conhecem Simba, ele esta se sentindo como um rejeitado e acha que não pode mais voltar para sua sociedade pois cometeu um erro muito grave em que a única solução seria voltar no tempo e não cometer o erro, ao acabar de dizer isto Timão solta um grito de euforia – “Você também é um rejeitado, que legal, nós também” – demonstrando como se sentiam em relação ao mundo aonde viviam anteriormente. Com o decorrer do dialogo ele vira para Simba e diz a sua nova filosofia – “Se o mundo vira as costas para você, você vira as costas para o mundo” – que testifica sua revolta com a sociedade no qual viviam. O fato de serem ambos homens e muito amigos não seria de nada importantes se não fossem as demonstrações de que não mais queriam se relacionar com outros de sua espécie, se infiltraram em um lugar só deles aonde não haveria ninguém, assim nada os condenaria e se assim fizessem não se importariam.Hoje em dia pode se ver vários “Timão e Pumba” pelas ruas, se revoltando com o mundo por que se sentem discriminados e não são respeitados por serem como são, então se reúnem com seus iguais em lugares restritos aonde não são apontados nem mesmo julgados pois todos são assim.Uma criança que se sente rejeitada ou mesmo não consegue ainda definir sua opção sexual se torna alvo destas influencias, sendo assim levada a pensar que se pode viver feliz com uma pessoa dos mesmo sexo, não se importando com as consequências que isto poderá trazer a ela, o que importa é que ela esteja bem e o mundo viva o mundo.
Podendo no futuro isto se tornar uma coisa tão normal, que não serão mais necessários exílios em florestas ou cavernas (as boates e casas restritas a homossexuais).
Para que seguir regras, viva Hatuna Matata: A maior dificuldade no evangelismo de jovens e adolescentes é a de que muitos rejeitam frequentar uma igreja que vai pedir que ele mude sua vida e tenhas algumas regras. E de nossa natureza que dês de crianças queiramos quebrar estas regras, o caso mais conhecido é o de Adão e Eva, embora não fossem crianças mas foram os primeiros homens a infringir uma lei.Na historia de Timão e Pumba nós podemos perceber que eles também não sentiam prazer em segui-las, e da mesma forma buscavam outros que como eles seja diferente. Na historia do filme “O Rei Leão” eles aliciam Simba a seguir uma vida que se contradizia com aquela que ele antes lavara, antes da mudanças Simba sempre seguiu as regras e tradições que faziam sua vida se tornar rotineira, ao encontrar este novo mundo com seus novos amigos se viu forçado a deixar tudo para trás.
Há rumores de que em uma das milhares línguas africanas “Hatuna Matata” tem o significado de “mate seus pais”, se observarmos nossas vidas veremos que os primeiros a nos impor regras são nossos pais, elimina-los seria uma forma de acabar com a esta ditadura.
101 Dálmatas – ( 101 Dalmatians ) – 103 min. – 1996
– O nome da Bruxa é Malvina Cruella DeVil, porém na placa do carro aparece DEVIL, que significa diabo.
– No prédio da sua empresa tem uma placa “HOUSE OF DeVIL”, porém na tradução só a . . palavra house foi traduzida, ficando “CASA DE VIL’.
– Nas escadarias do prédio tem uma estátua de um bode.

Pocahontas – 81 min.
– POCA = significa Espírito.
– HONTAS= significa “Do Abismo”.
– Logo as junção das duas significa “espírito saído do abismo”.
– A Disney mentiu quando produziu este vídeo, pois distorceu a história real. Pocahontas, a menina índia, tinha apenas 12 anos e não uma mulher sensual como aparece no filme. Ela casa-se com um espanhol, converte-se e morre na Espanha. A Disney não incluiu isto na historia. Pôr que?
– Pocahontas fala com um espírito na árvore. O caule da árvore fica com a forma do rosto de uma velha, que seria sua avó, já falecida há 400 anos. Observe aí a doutrina da reencarnação sendo passada sutilmente as crianças.
– Árvores com sentimentos e capazes de falar, são comuns na cultura celta, e são citadas em diversos ritos pagãos de feitiçaria.
– ‘…Pocahontas brilha com toda a glória e magia Disney, diz o encarte da fita.
Toy Story e Toy Story 2 – 2000
Toy Story e Toy Story 2 – 2000 Em alguns exemplares da edição especial dos DVDs destes filmes, lançados nos EUA, contavam com um item no mínimo embaraçoso: no meio do segundo filme estrelado pelos bonecos Woody e Buzz Lightyear, foi encontrada uma cena recheada de palavrões da comédia Alta Fidelidade. Depois de constatar o problema, levantado por consumidores que reclamaram do conteúdo impróprio para um desenho infantil, a Disney retirou das prateleiras os produtos ‘defeituosos’. [Revista Veja – 1º/nov/2000]
Uma Cilada para Roger Rabbit
O vídeo de “Uma Cilada para Roger Rabbit” chegou ao mercado com uma cena em que o personagem Baby Herman fazia coisas bem adultas ao passar sob o vestido de uma mulher. A sequência durava o tempo de uma piscada de olhos, mas mais uma vez virou um um pesadelo para a Disney… (Revista Veja – 1º/nov/2000)
Disney admite existir mensagens sublimares em filmes:
Pela primeira vez na história da companhia, a Disney admitiu ter encontrado imagens subliminares num de seus filmes de animação. A foto de uma mulher com os seios de fora aparece em dois quadros de “Bernardo e Bianca” (“The Rescuers”), de 1977, a história de dois ratinhos que ajudam uma menina a se livrar de sequestradores. No último dia 08 (janeiro), a Disney soltou um comunicado oficial afirmando que os vídeos do filme, relançados no mercado americano em 5 de janeiro, contém “imagens de fundo objetáveis”. Cerca de 3,4 milhões de fitas já foram recolhidas nos EUA em decorrência do achado. A cena acontece aos 28 minutos do filme e é imperceptível à velocidade normal. Os dois ratinhos usam um albatroz velho como avião. Ele perde altura e passa em frente a vários prédios. Numa das janelas, estão as fotos. Só é possível detectar a imagem em velocidade menor do que 30 quadros por segundo. Mesmo assim, a Disney recolheu as fitas para “manter nossa promessa às famílias de que elas podem confiar que a marca provê o melhor em entretenimento familiar”.
CURIOSIDADES
APÓCRIFOS
Introdução

Na Constituição Dogmática sobre Revelação Divina, o Concílio Vaticano II, no capítulo sobre Escritura Sagrada na Vida da Igreja, declarou que “Ela (a igreja) sempre considerou as Escrituras junto com a tradição sagrada como a regra suprema de fé, e sempre as considerará assim”
Da declaração anterior, nós, os cristãos evangélicos, rejeitamos, desde logo, a tradição sagrada como regra de fé. Ficamos, pois, em terreno comum com os católicos romanos no que diz respeito às Escrituras. No entanto, nisto também existe uma diferença de suma importância. Isto tem relação com os livros do cânon do Velho Testamento. No livro Consultas dei Clero, parágrafo 207, se transcreve assim o decreto emitido pelo Concilio de Trento sobre as Sagradas Escrituras:
“Se alguém não receber como sagrados e canônicos estes livros inteiros, com todas as suas partes, tal como se encontram na Antiga Versão Vulgata, seja anátema.” Seguindo a mesma posição doutrinária, o Concilio Vaticano II, no capítulo sobre “A inspiração Divina e a Interpretação da Escritura Sagrada”, se pronunciou da seguinte maneira: “Aquelas realidades divinamente reveladas, contidas e apresentadas na Escritura Sagrada, foram reduzidas à escritura sob a inspiração do Espírito Santo. A Santa Madre Igreja, descansando sobre a crença dos apóstolos, sustenta que os livros, tanto do Velho como do Novo Testamento, em sua totalidade, com todas as suas partes, são sagrados e canônicos, porque, havendo sido escritos sob a inspiração do Espírito Santo, têm a Deus como seu autor e foram transmitidos Como tais à igreja mesma.”
Mas, quando a Igreja Católica Romana se refere ao cânon do Velho Testamento, ela inclui uma série de livros que os protestantes chamam de “Apócrifos” mas os católicos de “Deuterocanônicos”, os quais não aparecem nas versões evangélicas e hebraica da Bíblia. O resultado disto foi que na opinião popular dos católicos existem duas Bíblias: uma católica e a outra protestante. Mas semelhante asseveração não é certa. Só existe uma Bíblia, uma Palavra (escrita) de Deus. Em suas línguas originais (o hebraico e o grego), a Bíblia é uma só e igual para todos. O que nem sempre é igual são as versões ou traduções dela aos diferentes idiomas. Neste estudo iremos mostrar porque nós, cristãos evangélicos, não aceitamos os chamados, “Livros Apócrifos”, e conseqüentemente rejeitamos com provas sobejas, as alegações romanistas de que tais livros possuem canonicidade e inspiração divina.
APÓCRIFOS: O QUE SIGNIFICA ?
Na realidade, os sentidos da palavra “apocrypha” refletem o problema que se manifesta nas duas concepções de sua canonicidade. No grego clássico, a palavra apocrypha significava “oculto” ou “difícil de entender”. Posteriormente, tomou o sentido de “esotérico” ou algo que só os iniciados podem entender; não os de fora. Na época de Irineu e de Jerônimo (séculos III e IV), o termo apocrypha veio a ser aplicado aos livros não-canônicos do Antigo Testamento, mesmo aos que foram classificados previamente como “pseudepígrafos”. Desde a era da Reforma, essa palavra tem sido usada para denotar os escritos judaicos não-canônicos originários do período intertestamentário. A questão diante de nós é a seguinte: verificar se os livros eram escondidos a fim de ser preservados, porque sua mensagem era profunda e espiritual ou porque eram espúrios e de confiabilidade duvidosa.
Natureza e número dos apócrifos do Antigo Testamento
Há quinze livros chamados apócrifos (catorze se a Epístola de Jeremias se unir a Baruque, como ocorre nas versões católicas de Douai). Com exceção de 2 Esdras, esses livros preenchem a lacuna existente entre Malaquias e Mateus e compreendem especificamente dois ou três séculos antes de Cristo.
Significado da palavra CÂNON e CANÔNICO
CÂNON – (de origem semítica, na língua hebraica “qãneh” em Ez 40.3; e no grego: “kanón” em Gl 6.16″), tem sido traduzido em nossas versões em português como, “regra”, “norma”.
Significado literal: vara ou instrumento de medir.
Significado figurado: Regra ou critérios que comprovam a autenticidade e inspiração dos livros bíblicos; Lista dos Escritos Sagrados; Sinônimo de ESCRITURAS – como a regra de fé e ação investida de autoridade divina.
Outros significados: Credo formulado (a doutrina da Igreja em Geral); Regras eclesiásticas (lista ou série de procedimentos)
CANÔNICO – Que está de acordo com o cânon. Em relação aos 66 livros da Bíblia hebraica e evangélica.
Significado da palavra PSEUDOEPÍGRAFO – Literalmente significa “escritos falsos” – Os apócrifos não são necessariamente escritos falsos, mas, sim não canônicos, embora, também contenham ensinos errados ou hereges.
DIFERENÇAS ENTRE AS BÍBLIAS HEBRAICAS, PROTESTANTES E CATÓLICAS
Diferenças Básicas:
1. Bíblia Hebraica – [a Bíblia dos judeus]
a) Contém somente os 39 livros do V.T.
b) Rejeita os 27 do N.T. como inspirado, assim como rejeitou Cristo.
c) Não aceita os livros apócrifos incluídos na Vulgata [versão Católico Romana)
2. Bíblia Protestante –
a) Aceita os 39 livros do V.T. e também os 27 do N.T.
b) Rejeita os livros apócrifos incluídos na Vulgata, como não canônicos
3. Bíblia Católica –
a) Contém os 39 livros do V.T. e os 27 do N.T.
b) Inclui na versão Vulgata, os livros apócrifos ou não canônicos que são: Tobias, Judite, Sabedoria, Eclesiástico, Baruque, 1º e 2º de Macabeus, seis capítulos e dez versículos acrescentados no livro de Ester e dois capítulos de Daniel. A seguir a lista dos que se encontravam na Septuaginta:
LIVRO APÓCRIFO DA SEPTUAGINTA 8 Baruque
1 3 Esdras 9 A Carta de Jeremias
2 4 Esdras 10 Os acréscimos de Daniel
3 Oração de Azarias 11 A Oração de Manassés
4 Tobias 12 1 Macabeus
5 Adições a Ester 13 2 Macabeus
6 A Sabedoria de Salomão 14 Judite
7 Eclesiástico (Também chamado de Sabedoria de Jesus, filho de Siraque)
COMO OS APÓCRIFOS FORAM APROVADOS
A Igreja Romana aprovou os apócrifos em 8 de Abril de 1546 como meio de combater a Reforma protestante. Nessa época os protestantes combatiam violentamente as doutrinas romanistas do purgatório, oração pelos mortos, salvação pelas obras, etc. Os romanistas viam nos apócrifos base para tais doutrinas, e apelaram para eles aprovando-os como canônicos.
Houve prós e contras dentro dessa própria igreja, como também depois. Nesse tempo os jesuítas exerciam muita influência no clero. Os debates sobre os apócrifos motivaram ataques dos dominicanos contra os franciscanos. O biblista católico John L. Mackenzie em seu “Dicionário Bíblico” sob o verbete, Cânone, comenta que no Concílio de Trento houve várias “controvérsias notadamente candentes” sobre a aprovação dos apócrifos. Mas o cardeal Pallavacini, em sua “História Eclesiástica” declara mais nitidamente que em pleno Concílio , 40 bispos dos 49 presentes travaram luta corporal, agarrado às barbas e batinas uns dos outros… Foi nesse ambiente “ESPIRITUAL”, que os apócrifos foram aprovados. A primeira edição da Bíblia católico-romana com os apócrifos deu-se em 1592, com autorização do papa Clemente VIII.
Os Reformadores protestantes publicaram a Bíblia com os apócrifos, colocando-os entre o Antigo e Novo Testamentos, não como livros inspirados, mas bons para a leitura e de valor literário histórico. Isto continuou até 1629. A famosa versão inglesa King James (Versão do Rei Tiago) de 1611 ainda os trouxe. Porém, após 1629 as igrejas reformadas excluíram totalmente os apócrifos das suas edições da Bíblia, e, “induziram a Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira, sob pressão do puritanismo escocês, a declarar que não editaria Bíblias que tivessem os apócrifos, e de não colaborar com outras sociedades que incluíssem esses livros em suas edições.” Melhor assim, tendo em vista evitar confusão entre o povo simples, que nem sempre sabe discernir entre um livro canônico e um apócrifo e também pelo fato do que aconteceu com a Vulgata! Melhor editá-los separadamente.
PORQUE REJEITAMOS OS APÓCRIFOS
Há várias razões porque os protestantes rejeitam os Apócrifos. Eis algumas delas:

1. PORQUE COM O LIVRO DE MALAQUIAS O CÂNON BÍBLICO HAVIA SE ENCERRADO.

Depois de aproximadamente 435 a .C não houve mais acréscimos ao cânon do Antigo Testamento. A história do povo judeu foi registrada em outros escritos, tais como os livros dos Macabeus, mas eles não foram considerados dignos de inclusão na coleção das palavras de Deus que vinham dos anos anteriores.
Quando nos voltamos para a literatura judaica fora do Antigo Testamento percebemos que a crença de que haviam cessado as palavras divinamente autorizadas da parte de Deus é atestada de modo claro em várias vertentes da literatura extrabíblica.
1 Macabeus: (cerca de 100 a .c.), o autor escreve sobre o altar:
“Demoliram-no, pois, e depuseram as pedras sobre o monte da Morada conveniente, à espera de que viesse algum profeta e se pronunciasse a respeito” (l Mac 4.45-46). Aparentemente, eles não conheciam ninguém que poderia falar com a autoridade de Deus como os profetas do Antigo Testamento haviam feito. A lembrança de um profeta credenciado no meio do povo pertencia ao passado distante, pois o autor podia falar de um grande sofrimento, “qual não tinha havido desde o dia em que não mais aparecera um profeta no meio deles” (l Mac 9.27; 14.41).
Josefo: (nascido em c. 37/38 d.C.) explicou: “Desde Artaxerxes até os nossos
dias foi escrita uma história completa, mas não foi julgada digna de crédito igual ao dos registros mais antigos, devido à falta de sucessão exata dos profetas” (Contra Apião 1:41) Essa declaração do maior historiador judeu do primeiro século cristão mostra que os escritos que agora fazem parte dos “apócrifos”, mas que ele (e muitos dos seus contemporâneos) não os consideravam dignos “de crédito igual” ao das obras agora conhecida por nós como Escrituras do Antigo Testamento. Segundo o ponto de vista de Josefo, nenhuma “palavra de Deus” foi acrescentada às Escrituras após cerca de 435 a .c.
A literatura rabínica: reflete convicção semelhante em sua freqüente
declaração de que o Espírito Santo (em sua função de inspirador de profecias) havia se afastado de Israel “Após a morte dos últimos profetas, Ageu, Zacarias e Malaquias, o Espírito Santo afastou-se de Israel, mas eles ainda se beneficiavam do bath qôl” (Talmude Babilônico, Yomah 9b repetido em Sota 48b, Sanhedrín 11 a , e Midrash Rabbah sobre o Cântico dos Cânticos, 8.9.3).
A comunidade de Qumran: (seita judaica que nos legou os Manuscritos do
Mar Morto) também esperava um profeta cujas palavras teriam autoridade para substituir qualquer regulamento existente (veja 1QS 9.11), e outras declarações semelhantes são encontradas em outros trechos da literatura judaica antiga (veja 2Baruc 85.3 Oração de Azarias 15). Assim, escritos posteriores a cerca de 435 a .C. em geral não eram aceitos pelo povo judeu como obras dotadas de autoridade igual à do restante das Escrituras.
O Novo Testamento: não temos nenhum registro de alguma controvérsia entre
Jesus e os judeus sobre a extensão do cânon. Ao que parece,Jesus e seus discípu1os de um lado e os líderes judeus ou o povo judeu, de outro, estavam plenamente de acordo em que acréscimos ao cânon do Antigo Testamento tinham cessado após os dias De Esdras, Neemias, Ester, Ageu, Zacarias e Malaquias. Esse fato é confirmado pelas citações do Antigo Testamento feitas por Jesus e pelos autores do Novo Testamento. Segundo uma contagem,Jesus e os autores do Novo Testamento citam mais de 295 vezes, várias partes das Escrituras do Antigo Testamento como palavras autorizadas por Deus, mas nem uma vez sequer citam alguma declaração extraída dos livros apócrifos ou qualquer outro escrito como se tivessem autoridade divina. A ausência completa de referência à outra literatura como palavra autorizada por Deus e as referências muito freqüentes a centenas de passagens no Antigo Testamento como dotadas de autoridade divina confirmam com grande força o fato de que os autores do Novo Testamento concordavam em que o cânon estabelecido do Antigo Testamento, nada mais nada menos, devia ser aceito como a verdadeira palavra de Deus.

2. PORQUE A INCLUSÃO DOS APÓCRIFOS FOI ACIDENTAL.

A conquista da Palestina por Alexandre, o Grande, ocasionou uma nova dispersão dos judeus por todo o império greco-macedônico. Pelo ano 300 antes de Cristo, a colônia de judeus na cidade de Alexandria, Egito, era numerosa, forte e fluente. Morrendo Alexandre, seu domínio dividiu-se em quatro remos, ficando o Egito sob a dinastia dos Ptolomeus. O segundo deles, Ptolomeu Filadelfo, foi grande amante das letras e preocupou-se com enriquecer a famosa biblioteca que seu pai havia fundado. Com este objetivo, muitos livros foram traduzidos para o grego. Naturalmente, as Escrituras Sagradas do povo hebreu foram levadas em conta, apreciando-se também a grande importância que teria a tradução da Bíblia de seus antepassados da Palestina para os judeus cuja língua vernácula era o grego.
Segundo um relato de Josefo, Sumo Sacerdote de Jerusalém Eleazar enviou, a pedido de Ptolomeu Filadelfo, uma embaixada de 72 tradutores a Alexandria, com um valioso manuscrito do Velho Testamento, do qual traduziram o Pentateuco. A tradução continuou depois, não se completando senão no ano 150 antes de Cristo.
Esta tradução, que se conhece com o nome de Septuaginta ou Versão dos Setenta (por terem sido 70, em número redondo, seus tradutores), foi aceita pelo Sinédrio judaico de Alexandria; mas, não havendo tanto zelo ali como na Palestina e devido às tendências helenistas contemporâneas, os tradutores alexandrinos fizeram adições e alterações e, finalmente, sete dos Livros Apócrifos foram acrescentados ao texto grego como Apêndice do Velho Testamento. Os estudiosos acham que foram unidos à Bíblia, por serem guardados juntamente com os rolos de livros canônicos, e quando foram iniciados os Códices, isto é , a escrituração da Bíblia inteira em um só volume, alguns escribas copiaram certos rolos apócrifos juntamente com os rolos canônicos.
Todos estes livros, com exceção de Judite, Eclesiástico, Baruque e 1 Macabeus, estavam escritos em grego, e a maioria deles foi escrita muitíssimos anos depois de o profeta Malaquias, o último dos profetas da Dispensação antiga, escrever o livro que leva o seu nome. O que se pode concluir daí é que, quando a Septuaginta era copiada, alguns livros não canônicos para os judeus eram também copiados. Isso também poderia ter ocorrido por ignorância quanto aos livros verdadeiramente canônicos. Pessoas não afeiçoadas ao judaísmo ou mesmo desinteressadas em distinguir livros canônicos dos não canônicos tinham por igual valor todos os livros, fossem eles originalmente recebidos como sagrados pelos judeus ou não. Mesmo aqueles que não tinham os demais livros judaicos como canônicos certamente também copiavam estes livros, não por considerá-los sagrados, mas apenas para serem lidos. Por que não copiar livros tão antigos e interessantes? Estes livros, entretanto, têm a importância de refletir o estado do povo judeu e o caráter de sua vida intelectual e religiosa durante as várias épocas que representam, particularmente, a do período chamado intertestamentário (entre Malaquias e João Batista, de 400 anos); é, talvez, por estas razões que os tradutores os juntaram ao texto grego da Bíblia, mas os judeus da Palestina nunca os aceitaram no cânon de seus livros sagrados.
3. TESTEMUNHAS CONTRA OS APÓCRIFOS
Traremos agora o depoimento de várias personagens históricas que depõe contra a lista canônica “Alexandrina”, como consta na Septuaginta, Vulgata e em todas as versões das Bíblias católicas existentes. Pelo peso de autoridade que representam esses vultos, são provas mais do que suficientes e esmagadoras contra a inclusão dos Apócrifos no Cânon bíblico. Vejamos:
JOSEFO: A referência mais antiga ao cânon hebraico é do historiador judeu Josefo (37- 95 AC ). Em Contra Apionem ele escreve: “Não temos dezenas de milhares de livros, em desarmonia e conflitos, mas só vinte e dois, contendo o registro de toda a história, os quais, conforme se crê, com justiça, são divinos.” Depois de referir-se aos cinco livros de Moisés, aos treze livros dos profetas, e aos demais escritos (os quais “incluem hinos a Deus e conselhos pelos quais os homens podem pautar suas vidas”), ele continua afirmando:
“Desde Artaxerxes (sucessor de Xerxes) até nossos dias, tudo tem sido registrado, mas não tem sido considerado digno de tanto crédito quanto aquilo que precedeu a esta época, visto que a sucessão dos profetas cessou. Mas a fé que depositamos em nossos próprios escritos é percebida através de nossa conduta; pois, apesar de ter-se passado tanto tempo, ninguém jamais ousou acrescentar coisa alguma a eles, nem tirar deles coisa alguma, nem alterar neles qualquer coisa que seja”
Josefo é suficientemente claro. Como historiador judeu, ele é fonte fidedigna. Eram apenas vinte e dois os livros do cânon hebraico agrupados nas três divisões do cânon massorético. E desde a época de Malaquias (Artaxerxes, 464-424) até a sua época nada se lhe havia sido acrescentado. Outros livros foram escritos, mas não eram considerados canônicos, com a autoridade divina dos vinte e dois livros mencionados.
ORÍGENES: No terceiro século d.C, Orígenes (que morreu em 254) deixou
um catálogo de vinte e dois livros do Antigo Testamento que foi preservado na História Eclesiástica de Eusébio, VI: 25. Inclui a mesma lista do cânone de vinte e dois livros de Josefo (e do Texto Massorético) inclusive Ester, mas nenhum dos apócrifos é declarado canônico, e se diz explicitamente que os livros de Macabeus estão “fora desses [livros canônicos]”
TERTULIANO: Aproximadamente contemporâneo de Orígenes era Tertuliano.
(160-250 dc) o primeiro dos País Latinos cujas obras ainda existem. Declara que os livros canônicos são vinte e quatro.
HILÁRIO: Hilário de Poitiers (305-366) os menciona como sendo vinte e dois.
ATANÁSIO: De modo semelhante, em 367 d.C., o grande líder da igreja, Atanásio, bispo de Alexandria, escreveu sua Carta Pascal e alistou todos os livros do nosso atual cânon do Novo Testamento e do Antigo Testamento, exceto Éster. Mencionou também alguns livros dos apócrifos, tais como a Sabedoria de Salomão, a Sabedoria de Sirac, Judite e Tobias, e disse que esses “não são na realidade incluídos no cânon, mas indicados pelos Pais para serem lidos por aqueles que recentemente se uniram a nós e que desejam instrução na palavra de bondade”.
JERONIMO: Jerônimo (340-420.dc.) propugnou, no Prologus Galeatus. A citação pertinente de Prologus Galeatus é a seguinte:
“Este prólogo, como vanguarda (principium) com capacete das Escrituras, pode ser aplicado a todos os Livros que traduzimos do Hebraico para o Latim, de tal maneira que possamos saber que tudo quanto é separado destes deve ser colocado entre os Apócrifos. Portanto, a sabedoria comumente chamada de Salomão, o livro de Jesus, filho de Siraque, e Judite e Tobias e o Pastor (supõe-se que seja o Pastor de Hermas), não fazem parte do cânon. Descobri o Primeiro Livro de Macabeus em Hebraico; o Segundo foi escrito em Grego, conforme testifica sua própria linguagem”.
Jerônimo, no seu prefácio aos Livros de Salomão, menciona ter descoberto Eclesiástico em Hebraico, mas declara em sua; convicção que a Sabedoria de Salomão teria sido originalmente composta em Grego e não em Hebraico, por demonstrar uma eloqüência tipicamente helenística. “E assim”, continua ele, “da mesma maneira pela qual a igreja lê Judite e Tobias e Macabeus (no culto público) mas não os recebe entre as Escrituras canônicas, assim também sejam estes dois livros úteis para a edificação do povo, mas não para estabelecer as doutrinas da Igreja”). e noutros trechos, prima pelo reconhecimento de apenas os vinte e dois livros contidos no hebraico, e a relegação dos livros apócrifos a uma posição secundária. Assim, no seu Comentário de Daniel, lançou dúvidas quanto à canonicidade da história de Suzana, baseando-se no fato que o jogo de palavras atribuído a Daniel na narrativa, só podia ser derivado do grego e não do hebraico (inferência: a história foi originalmente composta em grego). Do mesmo modo, em conexão com a história de Bel e a do Dragão, declara; “a objeção se soluciona facilmente ao asseverar que esta história especifica não está incluída no texto hebraico do livro de Daniel. Se, porém, alguém fosse comprovar que pertence ao cânone, seríamos obrigados a buscar uma outra resposta a esta objeção”
MELITO: A mais antiga lista cristã dos livros do Antigo Testamento que existe hoje é a de Melito, bispo de Sardes, que escreveu em cerca de 170 d.C.
“Quando cheguei ao Oriente e encontrei-me no lugar em que essas coisas foram proclamadas e feitas, e conheci com precisão os livros do Antigo Testamento, avaliei os fatos e os enviei a ti. São estes os seus nomes: cinco livros de Moisés, Gênesis, Êxodo, Números, Levítico, Deuteronômio,Josué, filho de Num, Juizes, Rute, quatro livros dos Remos,’0 dois livros de Crônicas, os Salmos de Davi, os Provérbios de Salomão e sua Sabedoria,” Eclesiastes, o Cântico dos Cânticos,Jó, os profetas Isaías,Jeremias, os Doze num único livro, Daniel, Ezequiel, Esdras.”
É digno de nota que Melito não menciona aqui nenhum livro dos apócrifos, mas inclui todos os nossos atuais livros do Antigo Testamento, exceto Éster. Mas as autoridades católicas passam por cima de todos esses testemunhos para manter, em sua teimosia, os Apócrifos!

AS HERESIAS DOS APÓCRIFOS
Uma das grandes razões, talvez a principal delas, porque nós evangélicos rejeitamos os Apócrifos, é devido a grande quantidade de heresias que tais livros apresentam. Fora isso, existem também lendas absurdas e fictícias e graves erros históricos e geográficos, o que fazem os Apócrifos serem desqualificados como palavra de Deus. A seguir daremos um resumo de cada livro e logo a seguir mostraremos seus graves erros.
RESUMO:
TOBIAS – ( 200 a .C.) – É uma história novelística sobre a bondade de Tobiel (pai de Tobias) e alguns milagres preparados pelo anjo Rafael.
Apresenta:
justificação pelas obras – 4:7-11; 12:8
mediação dos Santos – 12:12
superstições – 6:5, 7-9, 19
um anjo engana Tobias e o ensina a mentir 5:16 a 19
JUDITE – ( 150 a .C.) É a História de uma heroína viúva e formosa que salva sua cidade enganando um general inimigo e decapitando-o. grande heresia é a própria história onde os fins justificam os meios.
BARUQUE – ( 100 a .D.) – Apresenta-se como sendo escrito por Baruque, o cronista do profeta Jeremias, numa exortação aos judeus quando da destruição de Jerusalém. Porém, é de data muito posterior, quando da segunda destruição de Jerusalém, no pós-Cristo.
Traz entre outras coisas, a intercessão pelos mortos – 3:4.
ECLESIÁSTICO – ( 180 a .C.) – É muito semelhante ao livro de Provérbios, não fosse as tantas heresias:
justificação pelas obras – 3:33,34
trato cruel aos escravos – 33:26 e 30; 42:1 e 5
incentiva o ódio aos Samaritanos – 50:27 e 28
SABEDORIA DE SALOMAO – ( 40 a .D.) – Livro escrito com finalidade exclusiva de lutar contra a incredulidade e idolatria do epicurismo (filosofia grega na era Cristã).
Apresenta:
o corpo como prisão da alma – 9:15
doutrina estranha sobre a origem e o destino da alma 8:19 e 20
salvação pela sabedoria – 9:19
1 MACABEUS – ( 100 a .C.) – Descreve a história de 3 irmãos da
família “Macabeus”, que no chamado período ínterbíblico ( 400 a .C. 3 a .D)
lutam contra inimigos dos judeus visando a preservação do seu povo e terra.
II MACABEUS – ( 100 a .C.) – Não é a continuação do 1 Macabeus, mas um relato paralelo, cheio de lendas e prodígios de Judas Macabeu.
Apresenta:
a oração pelos mortos – 12:44 – 46
culto e missa pelos mortos – 12:43
o próprio autor não se julga inspirado -15:38-40; 2:25-27
intercessão pelos Santos – 7:28 e 15:14
ADIÇÕES A DANIEL:
capítulo 13 – A história de Suzana – segundo esta lenda Daniel salva Suzana num julgamento fictício baseado em falsos testemunhos.
capítulo 14 – Bel e o Dragão – Contém histórias sobre a necessidade da idolatria.
capítulo 3:24-90 – o cântico dos 3 jovens na fornalha.
LENDAS, ERROS E HERESIAS
1. Histórias fictícias, lendárias e absurdas
– Tobias 6.1-4 – “Partiu, pois, Tobias, e o cão o seguiu, e parou na primeira pousada junto ao rio Tigre. E saiu a lavar os pés, e eis que saiu da água um peixe monstruoso para o devorar. À sua vista, Tobias, espavorido, clamou em alta voz, dizendo: Senhor, ele lançou-se a mim. E o anjo disse disse-lhe: Pega-lhe pelas guerras, e puxa-o para ti. Tendo assim feito, puxou-o para terra, e o começou a palpitar a seus pés
2. Erros Históricos e Geográficos
Os Apócrifos solapam a doutrina da inerrância porque esses livros incluem erros históricos e de outra natureza. Assim, se os Apócrifos são considerados parte das Escrituras, isso identifica erros na Palavra de Deus. Esses livros contêm erros históricos, geográficos e cronológicos, além de doutrinas obviamente heréticas; eles até aconselham atos imorais (Judite 9.1O,13). Os erros dos Apócrifos são freqüentemente apontados em obras de autoridade reconhecida. Por exemplo:
O erudito bíblico DL René Paehe comenta: “Exceto no caso de determinada informação histórica interessante (especialmente em 1. Macabeus) e alguns belos pensamentos morais (por exemplo Sabedoria de Salomão),
Tobias… contém certos erros históricos e geográficos, tais como a suposição de que Senaqueribe era filho de Salmaneser (1 .15) em vez de Sargão II, e que Nínive foi tomado por Nabucodonosor e por Assuero (14.15) em vez de Nabopolassar e por Ciáxares… Judite não pode ser histórico porque contém erros evidentes… [Em 2 Macabeus] há também numerosas desordens e discrepâncias em assuntos cronológicos, históricos e numéricos, os quais refletem ignorância ou confusão..
HERESIAS
3. Ensinam Artes Mágicas ou de Feitiçaria como método de exorcismo
a) Tobias 6.5-9 – “Então disse o anjo: Tira as entranhas a esse peixe, e guarda, porque estas coisas te serão úteis. Feito isto, assou Tobias parte de sua carne, e levaram-na consigo para o caminho; salgaram o resto, para que lhes bastassem até chegassem a Ragés, cidade dos Medos. Então Tobias perguntou ao anjo e disse-lhe: Irmão Azarias, suplico-lhe que me digas de que remédio servirão estas partes do peixe, que tu me mandaste guardar: E o anjo, respondendo, disse-lhe: Se tu puseres um pedacinho do seu coração sobre brasas acesas , o seu fumo afugenta toda a casta de demônios, tanto do homem como da mulher, de sorte que não tornam mais a chegar a eles. E o fel é bom para untar os olhos que têm algumas névoas, e sararão”
b) Este ensino que o coração de um peixe tem o poder para expulsar toda espécie de demônios contradiz tudo o que a Bíblia diz sobre como enfrentar o demônio.
c) Deus jamais iria mandar um anjo seu, ensinar a um servo seu, como usar os métodos da macumba e da bruxaria para expulsar demônios.
d) Satanás não pode ser expelido pelos métodos enganosos da feitiçaria e bruxaria, e de fato ele não tem interesse nenhum em expelir demônios (Mt 12.26).
e) Um dos sinais apostólicos era a expulsão de demônios, e a única coisas que tiveram de usar foi o nome de Jesus (Mc 16.17; At 16.18)

4. Ensinam que Esmolas e Boas Obras – Limpam os Pecados e Salvam a Alma
a) Tobias 12.8, 9 – “É boa a oração acompanhada do jejum, dar esmola vale mais do que juntar tesouros de ouro; porque a esmola livra da morte (eterna), e é a que apaga os pecados, e faz encontrar a misericórdia e a vida eterna”.
Eclesiástico 3.33 – “A água apaga o fogo ardente, e a esmola resiste aos pecados”
b) Este é o primeiro ensino de Satanás, o mais terrível, e se encontrar basicamente em todas a seitas heréticas.
c) A Salvação por obras, destrói todo o valor da obra vicária de Cristo em favor do pecador. Se caridade e boas obras limpam nossos pecados, nós não precisamos do sangue de Cristo. Porém, a Bíblia não deixa dúvidas quanto o valor exclusivo do sangue como um único meio de remissão e perdão de pecados:
– Hb 9:11, 12, 22 – “Mas Cristo… por seu próprio sangue, entrou uma vez por todas no santo lugar, havendo obtido uma eterna redenção …sem derramamento de sangue não há remissão.”
– I Pe 1:18, 19 – “sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver, que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com precioso sangue, como de um cordeiro sem defeito e sem mancha, o sangue de Cristo,”
d) Contradiz Bíblia toda. Ela declara que somente pela graça de Deus e o sangue de Cristo o homem pode alcançar justificação e completa redenção:
– Romanos 3.20, 24, 24 e 29 – “Ninguém será justificado diante dele pelas obras da lei.. sendo justificados gratuitamente por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus. A quem Deus propôs no seu sangue…. Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé, independentemente das obras da lei”.

5. Ensinam o Perdão dos pecados através das orações
a) Eclesiástico 3.4 – “O que ama a Deus implorará o perdão dos seus pecados, e se absterá de tornar a cair neles, e será ouvido na sua oração de todos os dias”.
b) O perdão dos pecados não está baseado na oração que se faz pedindo o perdão, não é fé na oração, e sim fé naquele que perdoa o pecado, a oração por si só, é uma boa obra que a ninguém pode salvar. Somente a oração de confissão e arrependimento baseadas na fé no sacrifício vicário de Cristo traz o perdão (Pv. 28.13; I Jo 1.9; I Jo 2.1,2)

6. Ensinam a Oração Pelos Mortos
a) 2 Macabeus 12:43-46 – “e tendo feito uma coleta, mandou 12 mil dracmas de prata a Jerusalém, para serem oferecidas em sacrifícios pelos pecados dos mortos, sentindo bem e religiosamente a ressurreição, (porque, se ele não esperasse que os que tinham sido mortos, haviam um dia de ressuscitar, teria por uma coisa supérflua e vã orar pelos defuntos); e porque ele considerava que aos que tinham falecido na piedade estava reservada uma grandíssima misericórdia. É, pois, um santo e salutar pensamento orar pelos mortos, para que sejam livres dos seus pecados”.
b) É neste texto falso, de um livro não canônico, que contradiz toda a Bíblia, que a Igreja Católica Romana baseia sua falta e herege doutrina do purgatório.
c) Este é novamente um ensino Satânico para desviar o homem da redenção exclusiva pelo sangue de Cristo, e não por orações que livram as almas do fogo de um lugar inventado pela mente doentia e apostata dos teólogos católicos romanos.
d) Após a morte o destino de todos os homens é selado, uns para perdição eterna e outros para a Salvação eterna – não existe meio de mudar o destinos de alguém após a sua morte. Veja Mt. 7:13,13; Lc 16.26
7. Ensinam a Existência de um Lugar Chamado PURGATÓRIO
a) Este é o ensino herético e satânico inventado pela Igreja Católica Romana, de que o homem, mesmo morrendo perdido, pode ter uma Segunda chance de Salvação.
b) Sabedoria 3.1-4 – “As almas dos justos estão na mão de Deus, e não os tocará o tormento da morte. Pareceu aos olhos dos insensatos que morriam; e a sua saída deste mundo foi considerada como uma aflição, e a sua separação de nós como um extermínio; mas eles estão em paz (no céu). E, se eles sofreram tormentos diante dos homens, a sua esperança está cheia de imortalidade”.
c) A Igreja Católica baseia a doutrina do purgatório na ultima parte deste texto, onde diz: ” E, se eles sofreram tormentos diante dos homens, a sua esperança está cheia de imortalidade”.
– Eles ensinam que o tormento em que o justo está, é o purgatório que o purifica para entrar na imortalidade.
– Isto é uma deturpação do próprio texto do livro apócrifo. De modo, que a igreja Católica é capaz de qualquer desonestidade textual, para manter suas heresias.
– Até porque, ganha muito dinheiro com as indulgências e missas rezadas pelos mortos.
d) Leia atentamente as seguinte textos das Escrituras, que mostram a impossibilidade do purgatório : I Jo 1.7; Hb 9.22; Lc 23.40-43; I6: 19-31; I Co 15:55-58; I Ts 4:12-17; Ap 14:13; Ec 12:7; Fp 1:23; Sl 49:7-8; II Tm 2:11-13; At 10:43)
8. Nos Livros Apócrifos Os Anjos Mentem
a) Tobias 5.15-19 – “E o anjo disse-lhe: Eu o conduzirei e to reconduzirei. Tobias respondeu: Peço-te que me digas de que família e de tribo és tu? O anjo Rafael disse-lhe: Procuras saber a família do mercenário, ou o mesmo mercenário que vá com teu filho? Mas para que te não ponhas em cuidados,, eu sou Azarias, filho do grande Ananias. E Tobias respondeu-lhe: Tu és de uma ilustre família. Mas peço-te que te não ofendas por eu desejar conhecer a tua geração.
b) Um anjo de Deus não poderia mentir sobre a sua identidade, sem violar a própria lei santa de Deus. Todos os anjos de Deus, foram verdadeiros quando lhes foi perguntado a sua identidade. Veja Lc 1.19
9. Mulher que Jejuava Todos os Dias de Sua Vida
a) Judite 8:5,6 – “e no andar superior de sua casa tinha feito para si um quarto retirado, no qual se conservava recolhida com as suas criadas, e, trazendo um cilício sobre os seus rins, jejuava todos os dias de sua vida, exceto nos sábados, e nas neomênias, d nas festas da casa de Israel”
b) Este texto legendário tem sido usado por romana relacionado com a canonização dos “santos” de idolatria. Em nenhuma parte da Bíblia jejuar todos os dias da vida é sinal de santidade. Cristo jejuou 40 dias e 40 noites e depois não jejuou mais.
c) O livro de Judite é claramente um produção humana, uma lenda inspirada pelo Diabo, para escravizar os homens aos ensinos da igreja Católica Romana.
10. Ensinam Atitudes Anticristãs, como: Vingança, Crueldade e Egoísmo
a) VINGANÇA – Judite 9:2
b) CRUELDADE e EGOÍSMO – Eclesiástico 12:6
c) Contraria o que a Bíblia diz sobre:
– Vingança (Rm 12.19, 17)
– Crueldade e Egoísmo ( Pv. 25:21,22; Rm 12:20; Jo 6:5; Mt 6:44-48)
A igreja Católica tenta defender a IMACULADA CONCEIÇÃO baseando em uma deturpação dos apócrifos (Sabedoria 8:9,20) – Contradizendo: Lc. 1.30-35; Sl 51:5; Rm 3:23)
Diante de tudo isso perguntamos: Merecem confiança os livros Apócrifos ? A resposta obvia é, NÃO.
RESPOSTAS ÀS OBJEÇÕES ROMANISTAS
Os livros apócrifos do Antigo Testamento têm recebido diferentes graus de aceitação pelos cristãos. A maior parte dos protestantes e dos judeus aceita que tenham valor religioso e mesmo histórico, sem terem, contudo, autoridade canônica. Os católicos romanos desde o Concilio de Trento têm aceito esses livros como canônicos. Mais recentemente, os católicos romanos têm defendido a idéia de uma deuterocanonicidade, mas os livros apócrifos ainda são usados para dar apoio a doutrinas extrabíblicas, tendo sido proclamados como livros de inspiração divina no Concílio de Trento. Outros grupos, como os anglicanos e várias igrejas ortodoxas, nutrem diferentes concepções a respeito dos livros apócrifos. A seguir apresentamos um resumo dos argumentos que em geral são aduzidos para a aceitação desses livros, na crença de que detêm algum tipo de canonicidade e suas respectivas refutações.
OBJEÇÃO CATÓLICA:
1. Alusões no Novo Testamento. O Novo Testamento reflete o pensamento e registra alguns acontecimentos dos apócrifos. Por exemplo, o livro de Hebreus fala de mulheres que receberam seus mortos pela ressurreição (Hebreus 11.35), e faz referência a 2 Macabeus 7 e 12. Os chamados apócrifos ou pseudepígrafos são também citados em sua amplitude pelo Novo Testamento (Jd 14,15; 2Tm 3.8).

REFUTAÇÃO: Apela-se freqüentemente ao fato que o Novo Testamento usualmente emprega a tradução da LXX ao citar o Antigo Testamento. Portanto, já que a LXX continha os Apócrifos, decerto os Apóstolos do Novo Testamento reconheciam a autoridade da LXX inteira conforme então se constituía. Além disto, argumentam, é um fato que ocasionalmente apela-se a obras fora do “Cânone Palestiniano”. Wíldeboer’ e Torrey” colecionaram todas as instâncias possíveis de tais citações ou alusões a obras apócrifas, incluindo-se várias que apenas são hipotéticas. Mas toda esta linha de argumentos é realmente irrelevante para a questão em pauta, sendo que nem se alega que qualquer uma destas fontes seja proveniente dos Apócrifos Romanos.Na maioria dos casos as obras que supostamente foram citadas desapareceram há muito tempo – obras tais como o Apocalipse de Elias e a Assunção de Moisés (da qual sobrou um fragmento latino). Só num único caso, a citação de Enoque 1:9 em Judas 14-16, é que a fonte citada sobreviveu. Há citações de autores gregos pagãos, também no Novo Testamento. Em Atos 17:28, Paulo cita de Arato, Phaenomena, linha 5; em 1 Coríntios 15:33, cita da comédia de Menander, Thais. Certamente ninguém poderia supor que citações tais como estas estabelecem a canonicidade ou de Arato ou de Menander. Pelo contrário, o testemunho do Novo Testamento é muito decisivo contra a canonicidade dos quatorze livros Apócrifos. Demais disso, a alegação de que em muitas partes os escritos do Novo Testamento refletem influências dos livros Apócrifos, é deveras frágil demais para ser sustentada, pois se fosse assim, o livro de Enoque citado por Judas seria digno de muito mais crédito no sentido de canonicidade do que os Apócrifos romanos. Judas citada versículos inteiros deste livro, enquanto os Apócrifos adotados nas Bíblias romanas não aparece nenhuma vez com citações inteira ou em partes. Seguindo o mesmo raciocínio dos católicos poderíamos então canoniza-lo também! Então dizemos que virtualmente todos os livros do Antigo Testamento são citados como sendo divinamente autorizados, ou pelo menos há alusão a eles como tais. Embora acabe de ser esclarecido que a mera citação não estabelece necessariamente a canonicidade, é inconcebível que os vários autores do Novo Testamento pudessem ter considerado como canônicos os quatorze livros dos Apócrifos Romanos, sem ter feito uso deles em citações ou alusões.
OBJEÇÃO CATÓLICA:
2. Emprego que o Novo Testamento faz da versão Septuaginta. A tradução
grega do Antigo Testamento hebraico, em Alexandria, é conhecida como Septuaginta (LXX). Foi a versão que Jesus usou e é a versão mais citada pelos autores do Novo Testamento e pelos cristãos primitivos. A LXX continha os livros apócrifos. A presença desses livros na LXX dá apoio ao cânon alexandrino, mais amplo, do Antigo Testamento, em oposição ao cânon palestino, mais reduzido que os omite.
REFUTAÇÃO: Mas não é de modo nenhum certo que todos os livros na LXX foram considerados canônicos, mesmo pelos próprios judeus de Alexandria. Bem decisiva contra isto é a evidência de Filon de Alexandria (que viveu no primeiro século d.C.), assim como o judaísmo oficial em outros lugares e épocas. Apesar de ter citado freqüentemente os livros canônicos do “Cânone Palestiniano”, não faz uma citação sequer dos livros Apócrifos. Isto é impossível reconciliar com a teoria de um “Cânone Alexandrino” maior, a não ser que porventura alguns judeus de Alexandria não tivessem recebido este “Cânone Alexandrino” enquanto outros o reconheciam.
Em segundo lugar, relata-se de fontes fidedignas que a Versão Grega de Áquila foi aceita pelos judeus alexandrinos no segundo século d.C., apesar de não conter os livros Apócrifos. A dedução razoável desta evidência seria que (conforme o próprio Jerônimo esclareceu) os judeus de Alexandria resolveram incluir na sua edição do Antigo Testamento tanto os livros que reconheciam como sendo canônicos, como também os livros que eram “eclesiásticos” i,é., foram reconhecidos como sendo valiosos e edificantes, porém sem ser infalíveis.
Apoio adicional para esta suposição (que livros subcanônicos possam ter sido conservados e utilizados juntamente com os canônicos) foi recentemente descoberto nos achados da Caverna 4 de Cunrã. Ali, no coração da Palestina, onde seguramente o “Cânone Palestiniano” deve ter sido autoritativo, pelo menos dois livros Apócrifos se fazem representar – Eclesiástico e Tobias. Um fragmento de Tobias aparece num pedacinho de papiro, outro em couro; há também um fragmento em hebraico, escrito em couro. Vários fragmentos de Eclesiástico foram descobertos ali, e pelo menos na pequena quantidade representada, concordam bem exatamente com mss de Eclesiástico do século onze, descobertos na Genizá de Cairo na década de 1890. Quanto a isto, a Quarta Caverna de Cunrã também conservou obras pseudoepigráficas tais como o Testamento de Levi, em aramaico, o mesmo em hebraico, e o livro de Enoque (fragmentos de dez mss.diferentes!). Decerto, ninguém poderia argumentar com seriedade que os sectários tão estreitos de Cunrã consideravam como canônicas todas estas obras apócrifas e pseudoepigráficas só por causa de terem conservado cópias delas. A Palestina é que era o lar do cânon judaico, jamais a Alexandria, no Egito. O grande centro grego do saber pertencia no Egito, não tinha autoridade para saber com precisão que livros pertenciam ao Antigo Testamento judaico. Alexandria era o lugar da tradução apenas, não da canonização. O fato de a Septuaginta conter os apócrifo apenas comprova que os judeus alexandrinos traduziram os demais livros religiosos judaicos do período intertestamentário ao lado dos livros canônicos.
OBJEÇÃO CATÓLICA:
3. Os mais antigos manuscritos completos da Bíblia. Os mais antigos manuscritos gregos da Bíblia contêm os livros apócrifos inseridos entre os livros do Antigo Testamento. Os manuscritos Aleph (N), A e B, incluem esses livros, revelando que faziam parte da Bíblia cristã original.
REFUTAÇÃO: Isto, porém, é verdade apenas em parte. Certamente os Targuns aramaicos não os reconheceram. Nem sequer o Pesita siríaco na sua forma mais antiga continha um único livro apócrifo; foi apenas posteriormente que alguns deles foram acrescentados. Uma investigação mais cuidadosa desta reivindicação reduz a autoridade sobre a qual os Apócrifos se alicerçam a apenas uma versão antiga, a Septuaginta, e àquelas traduções posteriores (tais como a Itala, a Cóptica, a Etiópica, e a Siríaca posterior) que foram dela derivadas. Mesmo no caso da Septuaginta, os livros Apócrifos mantêm uma existência um pouco Incerta. O Códice Vaticano (“B”) não tem 1 e 2 Macabeus (canônicos segundo Roma), mas Inclui 1 Esdras (não-canônico segundo Roma). O Códice Sinaítico (“Alef”) omite Baruque (canônico segundo Roma), mas inclui 4 Macabeus (não-canônico segundo Roma). O Códice Alexandrino (“A”) contêm três livros apócrifos “não-canônicos”: 1 Esdras e 3 e 4 Macabeus. Então acontece que até os três mais antigos mss. da LXX demonstram considerável falta de certeza quanto aos livros que compõem a lista dos Apócrifos, e que os quatorze aceitáveis à Igreja Romana não são de modo algum substanciados pelo testemunho dos grandes unciais do quarto e do quinto séculos. Os escritores do Novo Testamento quase sempre fizeram citações da LXX, mas jamais mencionaram um livro sequer dentre os apócrifos. No máximo, a presença dos apócrifos nas Bíblias cristãs do século IV mostra que tais livros eram aceitos até certo ponto por alguns cristãos, naquela época. Isso não significa que os judeus ou os cristãos como um todo aceitassem esses livros como canônicos, isso sem mencionarmos a igreja universal, que nunca os teve na relação de livros canônicos.
OBJEÇÃO CATÓLICA:
4. A arte cristã primitiva. Alguns dos registros mais antigos da arte cristã refletem o uso dos apócrifos. As representações nas catacumbas às vezes se baseavam na história dos fieis registrada no período intertestamentário.
REFUTAÇÃO: As representações artísticas não constituem base para apurar a canonicidade dos apócrifos. As representações pintadas nas catacumbas, extraídas de livros apócrifos, apenas mostram que os crentes daquela era estavam cientes dos acontecimentos do período ínter-testamentário e os consideravam parte de sua herança religiosa. A arte cristã primitiva não decide nem resolve a questão da canonicidade dos apócrifos.
OBJEÇÃO CATÓLICA:
5. Os primeiros pais da igreja. Alguns dos mais antigos pais da igreja, de modo particular os do Ocidente, aceitaram e usaram os livros apócrifos em seu ensino e pregação. E até mesmo no Oriente, Clemente de Alexandria reconheceu 2 Esdras como inteiramente canônico. Orígenes acrescentou Macabeus bem como a Epístola de Jeremias à lista de livros bíblicos canônicos.
REFUTAÇÃO: Muitos dos grandes pais da igreja em seu começo, dos quais Melito (190), Orígenes (253), Eusébio de Cesaréia (339), Hilário de Poitiers (366), Atanásio (373 d.C), Cirilo de Jerusalém (386 d.C), Gregório Nazianzeno (390), Rufino (410), Jerônimo (420), depuseram contra os apócrifos. Nenhuns dos primeiros pais de envergadura da igreja primitiva, anteriores a Agostinho, aceitaram todos os livros apócrifos canonizados em Trento. Então será mais correto dizer que alguns dos escritores cristãos antigos pareciam fazer isto.
OBJEÇÃO CATÓLICA:
6. A influência de Agostinho. Agostinho (c. 354-430) elevou a tradição ocidental mais aberta, a respeito dos livros apócrifos, ao seu apogeu, ao atribuir-lhes categoria canônica. Ele influênciou os concílios da igreja, em Hipo (393 d.C.) e em Cartago (397 d.C.), que relacionaram os apócrifos como canônicos. A partir de então, a igreja ocidental passou a usar os apócrifos em seu culto público.
REFUTAÇÃO: O testemunho de Agostinho não é definitivo, nem isento de equívocos. Primeiramente, Agostinho às vezes faz supor que os apócrifos apenas tinham uma deuterocanonicidade (Cidade de Deus,18,36) e não canonicidade absoluta. Além disso, os Concílios de Hipo e de Cartago foram pequenos concílios locais, influenciados por Agostinho e pela tradição da Septuaginta grega. Nenhum estudioso hebreu qualificado teve presente em nenhum desses dois concílios. O especialista hebreu mais qualificado da época, Jerônimo, argumentou fortemente contra Agostinho, ao rejeitar a canocidade dos apócrifos. Jerônimo chegou a recusar-se a traduzir os apócrifos para o latim, ou mesmo incluí-los em suas versões em latim vulgar (Vugata latina). Só depois da morte de Jerônimo e praticamente por cima de seu cadáver, é que os livros apócrifos foram incorporaos à Vulgata latina. Além disso quando um antagonista apelou
para uma passagem de 2 Macabeus para encerrar um argumento, Agostinho respondeu que sua causa era deveras fraca se tivesse que recorrer a um livro que não era da mesma categoria daqueles que eram recebidos e aceitos pelos judeus.
Esta defesa ambígua dos Apócrifos, da parte de Agostinho, é mais do que contrabalançada pela posição contrária adotada por Atanásio (que morreu em 365), tão reverenciado e altamente estimado tanto pelo Oriente como pelo Ocidente como sendo o campeão da ortodoxia trinitária. Na sua Trigésima Nona Carta, parágrafo 4, escreveu: “Há, pois, do Antigo Testamento vinte e dois livros”, e então relaciona os livros que são aqueles que se acham no TM (Texto Massorético), aproximadamente na mesma ordem na qual aparecem na Bíblia Protestante. Nos parágrafos 6 e 7 declara que os livros extrabíblico (Lê., os quatorze dos Apócrifos) não são incluídos no Cânone, mas meramente são “indicados para serem lidos”. Apesar disto, a Igreja Oriental mais tarde demonstrou uma tendência de concordar com a Igreja Ocidental em aceitar os Apócrifos (o segundo Concílio Trulano em Constantinopla, em 692). Mesmo assim, havia muitas pessoas que tinham suas reservas quanto a alguns dos quatorze, e finalmente, em Jerusalém, em 1672, a Igreja Grega reduziu o número de Apócrifos canônicos a quatro; Sabedoria, Eclesiástico, Tobias e Judite.

OBJEÇÃO CATÓLICA:
7. O Concílio de Trento. Em 1546, o concilio católico romano do pós-Reforma, realizado em Trento, proclamou os livros apócrifos como canônicos, declarando o seguinte:
O sínodo […] recebe e venera […] todos os livros, tanto do Antigo Testamento como do Novo [incluindo-se os apócrifos] – entendendo que um único Deus é o Autor de ambos os testamentos […] como se houvessem sido ditados pela boca do próprio Cristo, ou pelo Espírito Santo […] se alguém não receber tais livros como sagrados e canônicos, em todas as suas partes, da forma em que têm sido usados e lidos na Igreja Católica […] seja anátema.
Desde esse concílio de Trento, os livros apócrifos foram considerados canônicos, detentores de autoridade espiritual para a Igreja Católica Romana.
REFUTAÇÃO: A ação do Concílio de Trento foi ao mesmo tempo polêmica e prejudicial. Em debates com Lutero, os católicos romanos haviam citado Macabeus, em apoio à oração pelos modos (v. 2Macabeus 12.45,46). Lutero e os protestantes que o seguiam desafiaram a canonicidade desse livro, citando o Novo Testamento, os primeiros pais da igreja e os mestres judeus, em apoio. O Concílio de Trento reagiu a Lutero canonizando os livros apócrifos. A ação do Concílio não foi apenas patentemente polêmica, foi também prejudicial, visto que nem os catorze livros apócrifos foram aceitos pelo Concílio. Primeiro e Segundo Esdras (3 e 4 Esdras dos católicos romanos; a versão católica de Douai denomina 1 e 2Esdras, respectivamente, os livros canônicos de Esdras e Neemias) e a Oração de Manassés foram rejeitados. A rejeição de 2Esdras é particularmente suspeita, porque contém um versículo muito forte contra a oração pelos mortos (2Esdras 7.105). Aliás, algum escriba medieval havia cortado essa seção dos manuscritos latinos de 2Esdras, sendo conhecida pelos manuscritos árabes, até ser reencontrada outra vez em latim por Robert L. Bentley, em 1874, numa biblioteca de Amiens, na França.
CATÓLICOS CONTRA OS APÓCRIFOS ?
Essa decisão, em Trento, não refletiu uma anuência universal, indisputável, dentro da Igreja Católica. Os católicos não foram unânimes quanto a inspiração divina nesses livros. Lorraine Boetner (in Catolicismo Romano) cita o seguinte: “O papa Gregório, o grande, declarou que primeiro Macabeus, um livro apócrifo, não é canônico. Nessa exata época (da Reforma) o cardeal Cajetan, que se opusera a Lutero em Augsburgo, em 1518, publicou Comentário sobre todos os livros históricos fidedignos do Antigo Testamento, em 1532, omitindo os apócrifos. Antes ainda desse fato, o cardeal Ximenes havia feito distinção entre os apócrifos e o cânon do Antigo Testamento, em sua obra Poliglota com plutense (1514-1517), que por sinal foi aprovada pelo papa Leão X. Será que estes papas se enganaram? Se eles estavam certos, a decisão do Concílio de Trento estava errada. Se eles estavam errados, onde fica a infalibilidade do papa como mestre da doutrina?. Tendo em mente essa concepção, os protestantes em geral rejeitaram a decisão do Concílio de Trento, que não tivera base sólida.
OBJEÇÃO CATÓLICA:
8. Uso não-católico. As Bíblias protestantes desde a Reforma com freqüência continham os livros apócrifos. Na verdade, nas igrejas anglicanas os apócrifos são lidos regularmente nos cultos públicos, ao lado dos livros do Antigo e do Novo Testamento. Os apócrifos são também usados pelas igrejas de tradição ortodoxa oriental.
REFUTAÇÃO: O uso dos livros apócrifos entre igrejas ortodoxas, anglicanas e protestantes foi desigual e diferenciado. Algumas os usam no culto público. Muitas Bíblias contém traduções dos livros apócrifos, ainda que colocados numa seção à parte, em geral entre o Antigo e o Novo Testamento. Ainda que não-católicos façam uso dos livros apócrifos, nunca lhes deram a mesma autoridade canônica do resto da Bíblia. Os não-católicos usam os apócrifos em seus devocionais, mais do que na afirmação doutrinária.
OBJEÇÃO CATÓLICA:
9. A comunidade do Mar Morto. Os livros apócrifos foram encontrados entre os rolos da comunidade do Mar Morto, em Qumran. Alguns haviam sido escritos em hebraico, o que seria indício de terem sido usados por judeus palestinos antes da época de Jesus.
REFUTAÇÃO: Muitos livros não-canônicos foram descobertos em Qumran, dentre os quais comentários e manuais. Era uma biblioteca que continha numerosos livros não tidos como inspirados pela comunidade. Visto que na biblioteca de Qumran não se descobriram comentários nem citações autorizadas sobre os livros apócrifos, não existem evidências de que eram tidos como inspirados. Podemos presumir, portanto, que aquela comunidade cristã não considerava os apócrifos como canônicos. Ainda que se encontrassem evidências em contrário, o fato de esse grupo ser uma seita que se separa do judaísmo oficial mostraria ser natural que não fosse ortodoxo em todas as suas crenças. Tanto quanto podemos distinguir, contudo, esse grupo era ortodoxo à canonicidade do Antigo Testamento. Em outras palavras, não aceitavam a canonicidade dos livros apócrifos.
Resumo e conclusão
Resumindo todos esses argumentos, essa postura afirma que o amplo emprego dos livros apócrifos por parte dos cristãos, desde os tempos mais primitivos, é evidência de sua aceitação pelo povo de Deus. Essa longa tradição culminou no reconhecimento oficial desses livros, no Concílio de Trento, como se tivessem sido inspirados por Deus. Mesmo não-católicos, até o presente momento, conferem aos livros apócrifos uma categoria de paracanônicos, o que se deduz do lugar que lhes dão em suas Bíblias e em suas igrejas.
O cânon do Antigo Testamento até a época de Neemias compreendia 22 (ou 24) livros em hebraico, que, nas Bíblias dos cristãos, seriam 39, como já se verificara por volta do século IV a.C. As objeções de menor monta a partir dessa época não mudaram o conteúdo do cânon. Foram os livros chamados apócrifos, escritos depois dessa época, que obtiveram grande circulação entre os cristãos, por causa da influência da tradução grega de Alexandria. Visto que alguns dos primeiros pais da igreja, de modo especial no Ocidente, mencionaram esses livros em seus escritos, a igreja (em grande parte por influência de Agostinho) deu-lhes uso mais amplo e eclesiástico. No entanto, até a época da Reforma esses livros não eram considerados canônicos. A canonização que receberam no Concílio de Trento não recebeu o apoio da história. A decisão desse Concílio foi polêmica e eivada de preconceito, como já o demonstramos.
Que os livros apócrifos, seja qual for o valor devocional ou eclesiástico que tiverem, não são canônicos, comprova-se pelos seguintes fatos:
1. A comunidade judaica jamais os aceitou como canônicos.
2. Não foram aceitos por Jesus, nem pelos autores do Novo Testamento.
3. A maior parte dos primeiros grandes pais da igreja rejeitou sua canonicidade.
4. Nenhum concilio da igreja os considerou canônicos senão no final do século IV.
5. Jerônimo, o grande especialista bíblico e tradutor da Vulgata, rejeitou fortemente os livros apócrifos.
6. Muitos estudiosos católicos romanos, ainda ao longo da Reforma, Rejeitaram os livros apócrifos.
7. Nenhuma igreja ortodoxa grega, anglicana ou protestante, até a presente data,
reconheceu os apócrifos como inspirados e canônicos, no sentido integral dessas palavras.
À vista desses fatos importantíssimos, torna-se absolutamente necessário que os cristãos de hoje jamais usem os livros apócrifos como se foram Palavra de Deus, nem os citem em apoio autorizado a qualquer doutrina cristã. Com efeito, quando examinados segundo os critérios elevados de canonicidade, estabelecidos, verificamos que aos livros apócrifos falta o seguinte:
1. Os apócrifos não reivindicam ser proféticos.
2. Não detém a autoridade de Deus. O prólogo do livro apócrifo Eclesiástico ( 180 a .C.)
diz:
“Muitos e excelentes ensinamentos nos foram transmitidos pela Lei, pelos profetas, e por outros escritores que vieram depois deles, o que torna Israel digno de louvor por sua doutrina e sua sabedoria, visto não somente os autores destes discursos tiveram de ser instruídos, também os próprios estrangeiros se podem tomar (por meio deles) muito hábeis tanto para falar como para escrever. Por isso, Jesus, meu avô, depois de se ter aplicado com grande cuidado à leitura da Lei, dos profetas e dos outros livros que nossos pais nos legaram, quis também escrever alguma coisa acerca da doutrina e sabedoria…Eu vos exorto, pois a ver com benevolência, e a empreender esta leitura com uma atenção particular e a perdoar-nos, se algumas vezes parecer que, ao reproduzir este retrato da soberania, somos incapazes de dar o sentido (claro) das expressões.” Este prólogo é um auto-reconhecimento da falibilidade humana.
3. Contêm erros históricos (v. Tobias 1.3-5 e 14.11) e graves heresias, como a oração pelos mortos (2Macabeus 12.45,46; 4).
4. Embora seu conteúdo tenha algum valor para a edificação nos momentos devocionais, na maior parte se trata de texto repetitivo; são textos que já se encontram nos livros canônicos.
5. Há evidente ausência de profecia, o que não ocorre nos livros canônicos.
6. Os apócrifos nada acrescentam ao nosso conhecimento das verdades messiânicas.
7. O povo de Deus, a quem os apócrifos teriam sido originalmente apresentados, recusou-os terminantemente.
A comunidade judaica nunca mudou de opinião a respeito dos livros apócrifos. Alguns cristãos têm sido menos rígidos e categóricos; mas, seja qual for o valor que se lhes atribui, fica evidente que a igreja como um todo nunca aceitou os livros apócrifos como Escrituras Sagradas.

Sobre Andre Magalhaes

Meu Senhor é Jesus
Esse post foi publicado em Curiosidades. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Curiosidades

  1. Ane Leticia disse:

    Amei!!! Poderia colocar sobre as denomições existentes no nosso país.

  2. Mari disse:

    Muito interessante….
    Lendo o artigo com a Bíblia do lado…
    é muito bom aprofundar os conhecimentos bíblicos!

  3. Olavo Borges disse:

    Parabens, edificante, ótima qualidade, benção.

  4. Hipólito Batista disse:

    É MUITO INSTRUTIVO, É UMA VERDADEIRA ESCOLA BÍBLICA. DEUS
    AENÇOE.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s